meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

FRÁGIL

por Tânia Du Bois

 

          Uma das coisas interessantes da vida é perceber a fragilidade das pessoas. Os poetas demonstram aspectos gigantescos da palavra, com conotações diversas.

          A fragilidade é atributo sentimental; o gosto se sobrepõe àquilo que nos interessa que, por sua vez, é o que se aproxima do homem numa espécie de cumplicidade, em que encontramos um dos principais mecanismos da sobrevivência, a identidade ideológica. Ivaldino Tasca, no conto Sombra Frágil,aponta os descompassos no relacionamento, fazendo o contraponto entre a fragilidade e a necessidade de continuarmos vivos.

          Ser frágil nos leva a olhar o mundo com pertinência e, assim, não julgar as promessas, por que tentamos preservar a sensibilidade como bem querer. Pedro Du Bois retrata, “Frágil // O caminhão leva nossas coisas / tantas / matérias / trastes / de tempos outros // não carrega nossas angústias / saudades / lembranças / amores / desilusões / infância e juventude // mesmo a maturidade / encaixotada / fica na sala vazia // o envelope com a vida / em fotografias / recebe o adesivo: / frágil”.

Não demonstramos várias fragilidades que estão “dentro” de nós e que, no máximo, são percebidas através de uma janela num mundo sem horizontes. Mas, podemos nos comover com as atitudes e sentir a fragilidade como ideia e gesto e assim demonstrarmos o que temos de mais importante e valioso; como em Dinair Fernandes Pires, “Há momentos e até mesmo dias em que o único desejo que se tem é enrodilhar-se, ou seja, colocar a alma em posição fetal. Descansar no próprio colo. Afagar as mágoas. Agasalhar a fragilidade...”

Ao percebemos a fragilidade da vida como fonte de sensação, ficamos emocionados na grandiosidade com que nos igualamos, mesmo que diferentes nas atitudes. Nossos gestos combinam com a convicção de cada um; até mesmo as palavras, com seus significantes, se torna nossa representação quando nos revelamos por inteiro.

          Encontro em Carlos Higgie, no conto Fragilidade, o acessório surpreendente da metáfora, “... Nada detinha aquele carro. //... Acelerou. A vida era bela e ele tinha o domínio dela. Pisou fundo, esquecendo num instante o passarinho suicida, o cachorro indeciso. Acelerou de novo, sentindo a força da máquina debaixo dos seus pés...”

Atitude é ato que se destaca em nossa identificação. Estarmos fragilizados é condição que representa mudança “drástica” num mundo movido pelo consumo: transformação do ser em ter, como em Alphonsus de Guimaraens Filho, “Frágil, na sua fragilidade / de sombra, por que entanto a vida / resiste agônica tal esmaecida / lâmpada na grande escuridade...”

          As pessoas e a natureza, sempre estão a traduzir deslumbrantes imagens da fragilidade, como retrata Domingos Pellegrini, “o que fazem com as nuvens os ventos / o que na cama fazem os amantes / o que faz o imprevisto com o instante / o que faz a canção com os sentimentos...”