meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

JANELA: o instante da escolha

por Tânia Du Bois

 

 

“Porque  você há de ter notado que os olhos aprendem imagens,

mas ensinam  palavras”.   (Paulo Mendes Campos)

           

 

            A janela é a abertura que conta a nossa história e amplia os prazeres. Nela há a premissa do horizonte, da paisagem que se quer ver e a prender em imagens. Segundo Carlos Pessoa Rosa, “Da janela,... o clarão fatia o assoalho,... A luz corta o céu, repousa na terra e na retina.” Reconhecemo-nos na casa onde cada janela fala do encanto dos momentos da nossa história;  a imaginação é alimentada pela inspiração da imagem vivida e a janela mostra o instante da escolha que se confunde com o horizonte, em prenúncio, como em Pedro Du Bois, “O segredo: abrir as janelas...// o segredo: permanecer diante da janela / sem que o gesto se concretize e o dia acabe.”

            A janela se mostra forte e delineada ao tão bem retratar o momento de deleite diante do instante da escolha, que a reconhecemos na medida em que percebemos a mágica refletida através dela.

            A janela tem domínio sobre a arte de se comunicar com o mundo; observamos e vemos o que acontece lá fora; ouvimos a voz interior dizendo do dom da janela em destrinchar imagens e seus significados, como observou Ernani Rosas, “Da minha janela aberta, / vejo passar muita cousa! / Toda amargura liberta, / para a tristeza da lousa...”  

            Todos temos uma janela, o que torna o ser humano inspirado e capaz de se realizar na vida. Cada um busca a sua paisagem e descobre a sua vontade, paixão e passa a viver com qualidade e talento. Com a janela aberta, conquistamos o nosso espaço. Por vezes, ela abre apenas uma fresta, então se não prestarmos atenção não conseguiremos ver a paisagem e nem sentir a liberdade a nós destinada. Nesse sentido, quem não sonha, acaba olhando para o lugar comum, como descreve Maria M. L. Althoft, “Tentei olhar da minha janela... / e de nada valeu, cansei. / Sentei, debrucei / Meu corpo cansado / E na soleira da janela, / A chuva esperei...”

            Abrir a janela é tentar se sentir livre e consciente no que desejamos ver; ou seja, ir ao encontro da paisagem deslumbrante, que chega até nós, para deixar entrar o vento na renovação das ideias, o que significa que no fundo da alma o sentimento tem o poder de conquistar as pessoas no embate entre a razão e a emoção e, ainda, de compartilhar a nossa visão. Nas palavras de Antônio Olinto, “Eu te via, mãe, / Quando estavas sentada / olhando pela janela / Eu brincava...”. Digo que ao rever a vida pela janela e no redescobrir do gesto reside a lembrança que nos protege.

            Janela é o instante da escolha, de ser quem pretendemos ser, de apontar caminhos que gostaríamos de seguir. A partir desse ponto de vista, a paisagem se torna bonita ou feia, conforme a encaramos; onde existe vontade, existe o caminho para o instante de escolha: nos livros, de Pedro Du Bois, A Concretude da Casa: “... A frieza da porta aberta / ao relento. / O relato do corpo que espia pela janela. // Reafirma a casa e seu concreto...” e, em Postigos, de Carmen S. Presotto, temos uma incrível viagem pelo tempo através de janelas que nos permitem espreitar a poesia.