meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

POR QUE NÃO?

por Tânia Du Bois

 

 

Por que não reconhecer o que está sentindo?

E quais as razões desses sentimentos?

Escolher viver honestamente os sentimentos é uma missão, uma opção para continuar sempre motivado e enriquecendo horizontes. Ou seja, é desafio permitir se reconhecer e uma possibilidade que se abre para encontrar sua história com certo mistério.

A arte de pensar e de sentir, desperta os sentimentos como sofrer, amar, sorrir e beijar,e isso os diferencia para uma vida plena.

A arte de ler eleva o pensamento ao coração. Permite a imaginação ir e vir espontaneamente. Entregar-se de corpo e alma à leitura nos faz sentir o prazer de tomar conta da liberdade; manter a expressão é sonhar o melhor despertar.

Por que não reconhecer que os sentimentos são nobres?

Respirar fundo, repensar e optar são atitudes e razões para expressar as preferências e os desejos marcando posições.

Eduardo Barbosa escreveu: “...a razão é o presente que a nossa consciência quer receber por toda a vida, e adverte-nos acerca das razões a que estamos sujeitos...”. Diversas são as razões que nos levam a pensar sobre escritores que nos embalam no tempo, provocando sensação de bem estar.         Por que não desfrutar da razão de Ernani Rosas? “Eis a razão de tudo colorido: / olfato, paladar, ouvido, olhar.../ rompe da sacada, assim como um gemido! // É uma forma de ser mais singular.../ que anseia muito além do meu sentido,...”

Por que não procuramos a forma própria de viver e abrir espaço para a realização? As razões nos levam a aprender a recusar e a reservar o tempo para nós e escolher quem e o que pode partilhar a nossa vida.

Por que não reconhecer que não podemos ser quem somos ou ver como vemos a vida, sem a contribuição dos escritores?

João Cabral de Mello Neto expõe suas razões: “Como não invocar, /sobretudo, o exercício / do poema, sua prática, /sua lânguida horti- / cultura?...”.

Por que não reconhecer que poesia é sentimento e faz parte das nossas vidas? As razões desse sentimento estão na criação, na arte que exprime ideias, desnudando a alma do escritor solta em sua imaginação, mostrando-nos semelhanças em pessoas diferentes, levando-nos a mares nunca dantes navegados, revelando-nos novidades e, ainda, permitindo-nos permanecer no rito constante da magia, como em Comportadas Razões de Pedro Du Bois, “... Procura razões / para ser assim / razões para o futuro / razões para não ser exterminado / razões para acreditar / razões para aproveitar / razões para ter chegado / até aqui // desarrazoado corpo / sente a brisa / sobre os cabelos.”