meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

loads.com.br

Era uma vez um NATAL...

por Tânia Du Bois

“Que este Natal... // Que a paz / seja capaz / De permanecer / Em cada ser //... Que a harmonia / seja sentida / No instante vivido / No poema da vida...” (IGdeOL)

 

        Pablo Picasso dizia que pintava as coisas como as imaginava, e não como as via. Assim, como Picasso representou o mundo em suas obras, nós representamos o Natal com enfeites, cores, gestos, harmonia e amor. São características marcantes que refletem as nossas ideias e personalidade.

        Comemoramos o Natal com brilhos, laços, flores, bolas e velas, em que encontramos a luz que nos leva à reflexão pelo momento festivo. Cada enfeite, cada detalhe, acrescenta algo mais da alegria do Natal e transforma a realidade em pura emoção, onde a magia se renova, porque nossos sentimentos são transportados para as nossas criações: como os símbolos.

        Em cada novo ano os símbolos do Natal transformam nosso estado de espírito: inspirando-nos, dando-nos o tom da união que forma o clima de felicidade. O que demonstra que com espírito natalino fazemos com estilo a celebração mais tocante do ano (influenciados pela história e o amor).

       É assim que revivemos a emoção de reunir familiares e amigos e, juntos, descobrirmos o fascínio do Natal: lúdico, poético e religioso. Como em Fernando Pessoa, “Natal.../ Nos lares aconchegados, / Um sentimento conserva / Os sentimentos passados. // Coração oposto ao mundo, / como a família é verdade!...”

        A magia do Natal está nas palavras que nos iluminam para interagir com os outros, marcando o encontro de luzes e sinos, tornando a data importante, como demonstra Dalinha Catunda,  “Dezembro chega e me faz / Lembrar os velhos Natais.../ vivi festas natalinas, / Que não esqueço jamais...” (Era uma vez um Natal inesquecível, que encantou as crianças e deixou no ar o perfume da esperança: hoje saudades! Como inesquecível é a música de Chico Buarque, “Tão bom / Tão bom / Tão bom / Tão bom que foi o Natal / Ai quem me dera fosse / o ano inteiro igual”: hoje quando escuto a música, lembro cada passagem).

        Era uma vez um Natal... descrever e contar histórias natalinas são espalhar as tradições, os encantos da nossa vida; é repassar o passado no presente, sentir a vida pelo avesso das versões, despertar a curiosidade e a vontade de se fazer presente na sua comemoração. Dividir a alegria com os familiares e amigos, sonhar e fantasiar o outro lado da vida, nas lembranças que valorizam o SER. Nas palavras de Eliana W. Alyanak, “Transformar o verso em vida //... Como o pintor, a tela em vida...// Colocar cor, / Colocar intensidade, / Colocar densidade...// No que se faz, / No que se projeta / No que se concretiza, / No que se intenciona...”