meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

PRIVACIDADE: ON ou OFF

por Tânia Du Bois

 

 

“Resta / único segredo / Não saber / Que todos conhecem / Nossos segredos”.

                                                                                              (Pedro Du Bois)

 

           

Atualmente, existe privacidade? Pergunto por que é cada vez mais comum as pessoas contarem seus segredos e intimidades nas redes sociais? Chego, a pensar, que a privacidade se tornou um valor ultrapassado, porque em tempo integral são postados as dores, as alegrias, opiniões, fatos e fotos da vida, sem constrangimentos. “Acabou o off escondido. Agora é tudo on”.

            Na visão de Carmen Presotto, A diferença de outros tempos, é agora ter o aval social para reinar entre a tantos “chats”, pois se quebrou a barreira do tempo e do espaço para se chegar ao intransponível. “Hoje sem esforço ou cerimônia, qualquer um, a qualquer hora pode me encontrar em casa, estatelada em frente ao elefante branco”. A minha maior inquietação é a medida da exposição: o quanto e como. Segundo Pedro Du Bois, “... muitos habitam nossas imaginações // deles tiramos o que personalizamos de ruim ou pior // no que somos expostos”.

            Reconheço que hoje, as pessoas se expõem no sentido de mostrar-se como algo a ser exibido e visto / mostrado nas telas, com o objetivo de desvelar suas vidas. Acredito que nesse sentido, as redes sociais mudam o significado da palavra “privacidade”, dando outro valor ao postarem em detalhes suas vidas.

            Minha dúvida é sobre os valores transmitidos a serem resguardados, não mais existem? Dignidade? Fidelidade? Pudor e respeito pelo próximo? Resta algum caminho ou sentido? E os momentos de intimidade, que acreditamos gerar confiança mútua, ainda somos capazes de guardar essas experiências e emoções em nossos corações? Ou sentimo-nos tão sós, que necessitamos compartilhar com as pessoas na rede social? Mas, o que lucramos e o que perdemos? Oscar Wilde escreveu, “Vivemos num tempo em que as coisas / desnecessárias são as nossas únicas / necessidades. // Hoje, sabemos o preço de tudo e o / valor de nada”.

            Penso nisso e tenho a preocupação com as atitudes das pessoas; com a segurança da família; com a ilusão de ser real a mentira confundindo a verdade. Tudo acontece muito rápido e não temos como nos arrepender disto ou daquilo, porque não há como voltar atrás. Afinal, tudo funciona como extensão da mente, quando os momentos de plenitude parecem estar certos, e ao mesmo tempo, pode acontecer o pior eles estarem errados e distantes – parece ser apenas uma chance para teclarem o que desejam transmitir, fazendo de conta que tem o controle da situação. Como descreve Gilberto Cunha, “Não é de hoje que se fala muita “merda”. Mas parece que essa característica da sociedade contemporânea, indiscutivelmente, se acentuou com a democratização do acesso aos veículos de comunicação (com destaque para a Internet)...”

            Na era da informação, o bom é ter cuidado para diferenciar ficção da realidade; verdade e mentira, porque se misturam e muitas vezes, a situação é invertida de acordo com os interesses pessoais. Ter a consciência sobre o que transmitir nas redes, porque o destino é desconhecido e não há como controlar o que é postado. Considerar autenticidade e transparência valores importantes. Ter uma visão crítica do conteúdo que recebemos e perceber quais os relacionamentos estabelecidos são superficiais. Além disso, a vivência “virtual” é um dos passatempos, do qual, nem sempre, podemos acreditar no que aparece na conexão. Não esqueçamos “nem tudo que reluz é ouro”, já diziam os antigos. Elbanice Vargas revela, “Criam-se situações pelo fato de terceiros invadirem a privacidade alheia com o intuito de interferir”.

            É interessante descobrir o que somos capazes de carregar para nos fortalecer. O fato é decidir o que realmente importa: privacidade on ou off? Então, poderemos perceber uma nova maneira de ver a vida e rever os princípios ao manter a coerência entre os discursos e as atitudes, porque (ainda) existem valores há serem preservados.

            A privacidade não tem bula, nem manual de instrução, apenas o desejo de tê-la ou não; o querê-la on ou off, nas telas da vida.