meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

Ser PAI: um talento

Por Tânia Du Bois

 

      

           Podemos dizer muitas coisas sobre os pais: o quanto são importantes para nós e como apreciamos os seus talentos. Eles são obras de arte: peças únicas, de muito valor, lindos e cada um dentro da sua moldura.

          Ser pai também é “padecer no paraíso“, ainda mais quando é considerado como:

 

MANUEL BANDEIRA: pai da poesia moderna brasileira, sendo o primeiro a fazer versos livres, como encontramos no livro “Libertinagem”.

JOÃO GILBERTO: descobriu uma nova “batida” para o violão; mestre da Bossa Nova junto com Tom Jobim.

 

ÉRICO VERÍSSIMO: consagrou-se como uma das maiores expressões da moderna ficção brasileira.

 

OSWALDO DE ANDRADE: escritor, um dos idealizadores da Semana da Arte Moderna, em 1922.

 

MACHADO DE ASSIS: considerado o pai do realismo na literatura brasileira.

 

NÁSSARA: pai da moderna caricatura brasileira e compositor de ALÁ-LÁ-Ô, sucesso carnavalesco até hoje. Seu traço é uma mistura de cubismo com confete.

 

RUBEN FONSECA: considerado um grande escritor, “dos sem prefácios nem posfácios”.

 

LUIZ GONZAGA: pai do “baião” foi quem pôs a música nordestina no mapa. Pai de Gonzaguinha.

 

JORGE AMADO: escritor baiano, pai do romance nordestino.

 

CARTOLA:  considerado o ”mestre divino do morro”, um dos maiores nomes da MPB.

 

DI CAVALCANTI: um dos primeiros artistas plásticos brasileiros a voltar a sua atuação para temas nacionais.

 

GUIMARÃES ROSA: revolucionou a prosa brasileira, apresentou ao leitor (quase) um novo idioma para contar histórias da gente do sertão.

 

DORIVAL CAYMMI: mestre dos mestres; presenteou o samba com os hábitos, as tradições e os costumes do povo e a paisagem baiana. Pai de Nana, Dori e Danilo.

 

RAUL SEIXAS: pai do rock brasileiro, com forte influência sobre os novos roqueiros, o “Maluco Beleza”.

 

CHICO BUARQUE: consagrado nos festivais, ganhou fama nacional com “A Banda”. Atualmente divide seu tempo entre a música e a literatura.

 

          Este texto tem a pretensão de deixar uma mensagem, representada nessa pequena amostra, de como os nossos pais conseguiram mudar, ajudar, ocupar seus lugares nos transmitindo “recados”. Na verdadeira obra de arte, um é o outro, interagindo. É inevitável, pela legitimação e qualificação, reconhecer o trabalho dos pais.

           Todos fazem arte consciente de sua função no universo, invadindo carinhosamente o nosso espaço. Por isso são especiais, capazes de sempre despertarem em nós a exclamação: parabéns papai, pelo seu dia! É a mensagem aos pais que são nosso porto seguro, de formatos distintos; cada um, recoberto com a sua cor e muitas vezes com a própria moldura, tornam-se parte de um quadro. E, junto um cartão, com os dizeres: Pai, obrigada por fazer parte e ser a diferença na minha vida. Eu te amo!