meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

PÉROLAS

por Tânia Du Bois

 

         

          Pego a foto na caixa de lembranças e nela encontro a beleza de quem olha a hora: pérolas. As horas passam e o sentimento paira sobre mim. Nilza D. Piagge diz, “Ai de mim, sem ti! / transformação de colar de pérolas.../ Me abraço / Solitária te busco em mim //... Procuro entender as formas / as cores...”

          Cubro o rosto e a memória do colar de pérolas está na saudade. As lembranças ao tocá-lo voltam em forma de sombras a manter o meu sorriso. Segundo Igor Fagundes, “... em sorrisos sempre o tempo se eterniza / e as histórias... se confundem / desaba a tarde e a manhã de novo ali / no meu espelho e me pergunto – é teu sorriso?” Sobrevivo às armadilhas da vida, porque não me rendo às pérolas, apenas traduzo no rosto o olhar que não retém a lágrima, não explica a marca do sorriso e nem a linha do destino. Mário Benedetti escreveu, “... pérolas é segredo / e é brilho pranto festa cavidade / e outras alegorias...”.

          O colar de pérolas marca o compasso do tempo e não é descartável, porque sou autêntica em mim mesma. É a minha identidade ao toque, como o véu em sonhos. É ilusório quando meus sentidos murmuram falsas promessas, como se não tivesse valido a pena guardá-lo. Mas, é guardando que espero revelar o meu dia e lembrar a sua história, como um grito no horizonte, onde retenho a palavra secreta sobre o seu silêncio. Pedro Du Bois, expressa, “...burilada / a pérola / desenvolta / encanta / os sentidos.”

          O colar de pérolas lembra as noites em que o brilho dos seus olhos estiveram sobre mim. Flores e espinhos que me conduzem diante do tempo ao modular minha face e fase. Entre estilhaços de momentos, certezas e incertezas, o tempo guarda as pérolas ornando o meu retrato desgastado. Contemplo o momento guardado em si mesmo, que se desintegra em mim, como em Yun Jung Im, “... Se a insônia me persegue... / em que sonho / poderei ver-te?”; e em Sonia Regina, “entre o avanço e o recuo sou eu / um corpo abafado pelo orgulho. / meio surda medro como uma planta. / minha voz cresce sem consentimento...”.

          As pérolas trazem na rotunda veste a mágica da cena na incerteza da lembrança, juntamente com o sorriso saudoso refletido quando avisto a caixa de lembranças. Pedro Du Bois ressalta, “... minhas lembranças estáticas / serão guardadas / até que o novo dia / se apresente...”,eLindolf Bell alerta, “... em armazéns do tempo / as coisas permanecem / mais tempo / que o tempo destinado...”