meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

 

 

 

TRANSGRESSÃO

por Tânia Du Bois

           

           

            Na maioria dos dias me pergunto se as palavras são um imperativo, porque a grandeza da obra está na realização literária do livro. Em nome da liberdade, pessoas descrevem de forma precisa as suas intenções, experiências e ideias, preocupando-se com a dimensão sentimental e contestadora.

            Apaixonada pela literatura tenho a sensibilidade aguçada, o que pode surpreender meus sentimentos e gerar sofrimento, ao ler uma obra onde os personagens matam por necessidade. Muitas vezes me recuso a participar de tal delírio destrutivo. Emociono-me e tenho o sentimento de transgressão.

            Questiono em que sentido o escritor acredita nisso? Será que ele assim escreve apenas para a construção do texto? Então, qual seria o sentido da vida? Fico nervosa e tento entender esse tipo de perfil na literatura. Penso que devo transgredir... Tentar trivializar seu efeito e pensar que o escritor, como significante, tem na liberdade de expressão o direito da escolha. E eu de reconhecer que o elemento diferenciador nesse tipo de obra é efeito para a emoção: algo transgressor. Vera Casa Nova pergunta, “... Qual a transgressão és capaz de cometer hoje / com tua perversão de cada dia?...”

            Mesmo transgredida, tenho dúvidas quando me reporto à motivação. Acredito que o escritor modifica o meu exercício de leitura, quando percebo que ele deixa claro que a crueldade é para aqueles que não conseguem controlar a propensão ao ódio. Também acredito que a razão deixa ver criticamente as ações desenvolvidas como arte.

            O escritor é o artista que toma a palavra para defender e desenvolver a sua obra. Conta a história de ponto de vista específico: uma ação estratégica, dando ao leitor o direito da transgressão. Encontro nos romances: O Som e a Fúria de William Faulkner (1897-1929), expressas inquietações sobre a condição humana; segundo José G. Couto, o escritor nos fala do“som desesperado e denso de todo o sofrimento mudo que há sob o sol” e mantém a angústia de sentido; Por Quem os Sinos Dobram, obra de Hemingway (1899-1961), “Enquanto existir um de nós, os dois existirão/... Se um estiver os dois estarão/... eu sou tu também, a partir de agora...você sou eu” que, para Miguel Sanches Neto, “trata-se de um romance atualíssimo, por entender que todo assassinato ou qualquer agressão contra o homem, é sempre um ato criminoso, e não há ideologias nem interesses que possam justificá-lo.”; Em A Morte Como Efeito Colateral, Ana Maria Shua (1951) “constrói uma inquietante narrativa sobre a finitude humana.” Vale ressaltar que tais transgressões são pontuais: antes de me deixarem obcecada, trato de abstraí-las dos valores que possam me impregnar e me submeter, como marcas dos autores em seus estilos literários.