meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

SONHAR

por Tânia Du Bois

 

        Perco o prumo, saio do rumo, fico sem cor quando sonho com a vida. Gosto de ouvir o som do mar, dormir ao luar. Ao usar os sentidos percebo cada detalhe do mundo. Fico surpresa ao ler poesia e sentir mudanças, como novas maneiras de sonhar, como se reservasse um segredo. É o que encontro em Márcio Almeida, no poema Alívio. Ele transforma os padrões e me surpreende como dono do tempo – o presente no futuro – daí rompe os sentidos tão “sedentos” de sonhar. O meu rumo segue as palavras do escritor, como a leveza da brisa e a fúria do vento.

 

“Uma noite sem pernilongo... / uma chuvinha com raios e trovões em meio a madrugada, /um jornal de TV sem bala perdida, / um dia sem falta d’agua, / um consenso no Congresso a favor do povo, / um dia sem apagão //... um programa de TV sem apelação do sexo, / um político pronunciando a palavra” nós”,/ uma música que não seja só sertanoja ou funk, /... uma religiosidade sem as peias do fanatismo,/ uma manifestação pública sem os excessos do rancor...”

 

          O prumo do poeta é a esperança como luta pelo ideal. Mostra obstáculos intransponíveis e não trai seus princípios: justiça, liberdade e humanidade. Vejo que as nuvens encobrem o sol quando sonho uma vida sem barreiras, mas, tenho certeza de que o sol não desaparece, nem as ideias deixam de serem ares de esperança.

          Olho para o mar e vejo que Márcio não se encontra sozinho; seu poema representa a perseverança e a atitude, para não sofrermos sem necessidade na busca do sonho.

“... um único dia sem competividade humana, /um único dia sem cometer devassa na natureza, //... um instante para lembrar que a poesia (ainda) existe”.

          O Poeta “grita” em favor da vida, ao retratar palavras que espelham momentos de ambição capitalista e, assim, revela seus direitos.

“... um atendimento no SUS sem omissão, /uma ida ao supermercado sem inflação, / um livro bom que não seja best-seller, /uma taxa que não tenha desempregos, / uma redação do Enem que não tenha nota zero...”

          No ar pesado e o mar denso, estremeço ao pensar que os homens tornam a vida em lugares vazios, onde o “sonho acabou”, como canta Gilberto Gil.

          Insisto em sonhar porque acredito na existência da justiça, do amor e de palavras como “honra”, para eu descobrir o prumo e o rumo ao crer no ideal e, juntos, lutarmos por ele.

 

“... uma bandeira branca contra as guerras pelo mundo,/... um espelho para a transparência... / um instante para lembrar que a poesia (ainda) existe”.

          Flutuo na brisa, navego em ondas onde encontro a poeira que espalha o sonho. Retorno e passo o tempo buscando a igualdade, a honestidade e a lealdade e, ao mesmo tempo, procuro descobrir por que a vida testa o meu sonho.