meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

só o TEMPO, com o TEMPO

por Tânia Du Bois

 

”Por ti / reinvento / o perfume das árvores.” (Fernando Aguiar)

 

          Desde quando fui ensinada a refrear o tempo? Querendo ou não sinto a sua passagem. Como posso fazer de conta que ele não existe? Como ignorar o tempo ao me olhar no espelho? O certo é tentar conviver com ele e tirar vantagens. Mas, quais são as vantagens?

          Ao ler, sinto-me espectadora do tempo, com a função de mudar historicamente. Participo da paisagem que se transforma quando reveladas as vantagens que só com o tempo poderei explicar.  Pedro Du Bois argumenta que o “tempo é a nossa verdade, ele não nos pertence”, e que “há o tempo de plantar e o tempo de colher”..

          O tempo reflete o comportamento e atinge os talentos da literatura, também articula e garante a presença dos escritores através das suas obras, com os efeitos de que só o tempo e com tempo viremos a saber da história.

          Atualmente o mundo se comporta como imensa biblioteca onde tudo é reaproveitado, resignificado, reutilizado, repensado, reencontrado, recriado, reaprendido e tantos outros RE.  Só o tempo cria, produz e se compromete com as palavras, e até se torna literatura quando nasce e se desenvolve em diferentes épocas e sociedades. Lise Maria Fank escreveu que “Ontem, / portas e tramelas, /latidos de guaipecas, / cautelas de antigamente. // Hoje, / portões eletrônicos,/ cercas elétricas, / cães amestrados / e o medo de gente.”

           Com o tempo  vem a lembrança do que já vi e li. Amplio a ideia e, consequentemente, reinvento a história. Só o tempo mostra que o leitor percebe o reverso das palavras, como coloca Almandrade, “O / pré- / go / pre- / ga, / o / tempo / des / prega.”

       Não esqueço o tempo porque o carrego nas mãos, nas relembranças, no ressignificado do desejo de criar, sem me subtrair à passagem entre os sentidos: sim e não, doce e amargo, autor e leitor, ator e espectador. Ousadamente, recarrego as ideias e as transformo com criatividade quando me aproprio da memória visual, sonora e textual, sob a condição de rever de outra forma a minha vida.

          Quando reaproveito a ideia, tenho fatos para estampar na página e, assim, sobreviver no tempo do RE (alguma coisa), como força de expressão, onde só o tempo e com o tempo posso me libertar, como encontro em Clauder Arcanjo, “...Tudo se renova naquilo / Que nos encanta e espanta.”

          Só o tempo é referência para a terra de boa literatura. Ele corresponde à necessidade social, onde as relações devem se caracterizar pelas normas entre autor, leitor versus a criação que os diferencia em traços específicos, como o tempo. A terra movida pela curiosidade, alegria, choros e amor que todos querem reler.

          Reencontro em Dagmar Destêrro que “O tempo jamais nos espera // Não basta apenas viver; / É preciso sentir a vida / Em sua essência;/vivê-la em profundidade. / Analisar as pedras do caminho.../ Pensar com realidade //... Para não correr o risco / De ficar para trás / Alimentando fantasia.”