meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

O SUICIDA

por Tânia Du Bois

 

            “Não restará na noite uma estrela. / Não restará a noite. / Morrerei, e comigo a soma / do intolerável universo. / ... Apagarei a acumulação do passado. / Transformarei em pó a história, em pó o pó. / Estou virando o último poente. / Ouço o último pássaro. / Deixo o nada a ninguém”; Jorge Luís Borges mostra no poema que a vida é passagem sem retorno, mas que, acima de tudo, carregamos a angústia e o temor à ela, sem esperanças; que apenas lutamos contra o tempo e nos escondemos no âmago do desespero. Nas palavras de Pedro Du Bois, “...o grito antecede / ao silêncio / onde a vida / estanque / mede o compasso / e desenha em ares / outros tempos.”

          Onde está a vida que se renova e acaba em agonia? Um impulso poderoso deixa apenas o silêncio... Onde flores não são entregues e morrem, pássaros interrompem seus voos e eu fico diante da porta fechada, comandando a morte na incerteza do grito; para Carlos P. Rosa, “...criamos a fantasia da imortalidade. Logo, se alguém dela foge, com certeza está fugindo da vida. O equilíbrio entre o viver e a angústia da morte...suicidas, determinará os limites do indivíduo. Repensar a vida passa obrigatoriamente pelo repensar a morte.”

          Tenho a música de Tom Jobim e Vinícius de Morais, que reflete meus sentimentos: “Eu sei e você sabe, já que a vida quis assim /... Não há você sem mim / Eu não existo sem você...”. O meu amor se fere e se perde diante do que traz escondido. Fugitivo de si, insatisfeito com o voo sonhado, distorce a imagem e despedaça os sonhos. Sem acreditar no sentimento, creio que o mundo é melhor sem ele, como em Antônio Cícero “... Seu fastio / é enorme: despreza a vida e a gravidade/ com que a encaram. Pondera o suicídio / e se sente mais leve...”.

          Suspiro sua ausência e me calo em ecos de pesadelos, que irrompem em mim para dizer que o nosso amor é intenso. Agora, preciso do silêncio para ver as luzes do amanhã, de tantas cores que um dia foi... O homem, companheiro, meu grande amor, que me dá notícias inexistentes para nos equipararmos aos que admiramos, drenando nossas forças, como no poema de Pedro Du Bois: “O tempo findo / a morte / é socorro /... a morte entalha caminhos / e nos carrega em lembranças //... na falta que fazemos...”

          Não deixo que a dor e o medo mostrem a face oculta do segredo e na ausência ouço a sua voz, misteriosamente trazida pelo vento. Preciso enfrentar, porque a ilusão de pensar passa quando você se une à morte. No entanto, palavras vêm ao meu pensamento: saudade e melancolia – tão grande é a dor que não posso viver.