meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

loads.com.br

TRESLOUCADO

por Tânia Du Bois

 

               Lembro o ditado popular que diz “... de louco, todos temos um pouco”, porque realidade é sonho, na ilusão dos afazeres e desfazeres onde a noite é longa e o dia é curto. O Sol nasce todos os dias, mesmo encoberto; o mar transborda areias e o vento traz os vírus. As cores refletem o azul no uniforme escolar; o vermelho no sangue; o verde na grama e o branco é o invisível como livro sem leitor.

            Como fugir desse emaranhado em que a vida se dá no desencontro, quando a mentira é revelada como verdade, a maldade impera na bondade, o doce se torna amargo e o pensamento é segredo e mistério?  O desafio é ser tresloucado e se sintonizar num mundo em movimento. Para Inês Vieira, “Querida, és tudo o que eu preciso, / Pra me sentir feliz num Paraíso.../ Ou será que eu perdi o juízo?”.

 Por minutos, paro a correria do dia e repenso a vida, para que eu possa alcançar o projeto de SER, e não de TER; como retrata Olavo Bilac, “Tresloucado Amigo”.

            Em alguns dias, olho o mar e penso que o melhor ainda está por vir. Nas palavras de Marina Du Bois, “A vida, é mesmo um mar que nos leva. Vai e vem, vem e vai. Num momento estamos seguros de tudo, de que aquela é a direção certa. Mas, de repente, uma corrente não esperada tira-nos daquele rumo, que pensávamos ser nosso, e leva-nos para outro, que adotamos como nosso, até a próxima guinada. //... Ondas que se contradizem buscando o equilíbrio, ou quem sabe um desequilíbrio”.

            Por meses, sou surpreendida pensando no meu livro. Uso o meu poder e a atitude de não me preocupar com a opinião dos outros, de não me abalar em questões referentes à minha linguagem e à visão “distorcida” do mundo, como em Oscar Wilde, “Tornar-se espectador da sua própria / vida é, para o homem, escapar aos / sofrimentos da vida”.

            Em anos, vivo minha batalha interior: um lado quer se libertar e o outro quer entender ser a poesia comércio de ilusões. Ela é dona das páginas da minha vida, como rascunhos que surgem no meu pensamento. Tenho cuidado para não me deixar levar pelo medo; reúno coragem e rompo padrões literários, que não fazem mais sentido ao tresloucado. Desafio a memória e a imaginação para reescrever a minha história. Ponho em palavras o que de mais doído existe em minha alma e explico o mundo com novas imagens.

            Sou capaz de dar conta do tempo como centro das preocupações. Tresloucada, penso que o tempo passa rápido e é impossível encontrar mais tempo para realizar as atividades, que fazem com que eu me sinta bem ao pensar sobre as questões da vida; o pensamento reflete exatamente quem sou.  Pedro Du Bois demonstra, “Tresloucados // Ser do ângulo o vértice deslocado / tresloucado olhar / sobre a inverdade. // prisões suaves / com que os anos / transformam a vida / em quase nada // ser do vértice / o vértice apropriado / tresloucado olhar / dos sentimentos // razões impávidas / com que os compromissos / perseguem a vida / em retirada”.

            Chegado o momento do reconhecimento, da novidade com que o olhar harmoniza o pensamento com as ideias e a esperança, procuro entender que a vida segue a nova paisagem se eu deixar a emoção no comando, como em Marina Du Bois, “... E o coração? / Acelerado / Passo a passo / Num novo compasso / Não é paixão / Não é sentimento louco nem tresloucado / É bom...”.

Mesmo assim, fico com a impressão de que o mundo estará contra mim se eu não tentar dar conta dos sentidos e resolver uma questão de cada vez; minha força interior atende ao chamado da alma e meus sonhos são revelados e reveladores, assim, no “Conto Tresloucado”, de Mario Quintana e, em seu poema, “Essas duas tresloucadas, a Saudades e a Esperança, vivem na casa do presente, quando deviam estar – seria lógico – uma casa do Passado e a outra na casa do Futuro. – Mas e o presente seu moço? – Ah! esse nunca está em casa”.