meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

TRAVESSIA

por Tânia Du Bois

“...:Não há segredo na / travessia da palavra.” (Sonia Regina)

 

          Travessia é a passagem que marca a nossa vida: trocamos experiências e incentivos. Milton Nascimento em Travessia, “solta a voz” faz uma homenagem a Elis Regina, porque a considerava “a voz de todos nós”. Cruzamos etapas, por mais árduo que seja o caminho. As energias se adensam na liberdade de expressão, e assim encontramos uma nova travessia, como se fosse a paixão, dois pontos que se unem e se cruzam. Como cita Humberto Mello, “tem hora que a vida pesa / e murmúrios me atravessam / me deito e corto as veias / com a lâmina de um verso...”

          Ao fazer a travessia, tentamos juntar os pontos do dia anterior. Atravessamos o olhar quando o Sol se põe e a Lua surge. Inauguramos em cada travessia uma vida de revolução, fazendo da poesia os sentimentos, como em Nídia Bolner Weingartner, “...a poesia chega primeiro à sensibilidade e à emoção. E chega para ficar, porque as mais das vezes, pelo prazer que nos proporciona...”

          A travessia costura as forças: bem e mal; alegre e triste; bonito e feio; doce e amargo. É a ponte que leva os homens a viver o amor e ter atitudes. O amor nasce nas palavras em que cada travessia encontra o gesto e o caminho para viver. A ponte para amar é amar-se, quando conseguimos, estamos prontos para amar o outro: cruzamos sentimentos. Atravessar a vida amando é renovar-se com palavras em cada dia. Segundo Jurema Carpes do Valle, “Travessia // ...Luta / Avança / Divisa a praia à distância / E deseja apesar da sua finitude / Alcançá-la.” e, Lindolf Bell, “...Atravesso o avesso / E meu barco de travessias / é a palavra terra / cercada de água por todos os lados...”

          A travessia é dúvida, certeza, ponto de interrogação e de exclamação. São as horas que esparramam pedaços em nossas vidas. Atravessamos o escuro e depois tudo começa a ficar colorido, mas sem definição. São várias as razões que nos levam a atravessar a passagem da vida, porque vivemos enquanto convivemos na diferença e cruzamos as ligações pessoais, como no poema Travessia Das Isabéis, de Geraldo Mello Mourão, e nas palavras de Max Martins, “Dados os laços / lançam-se os dedos / os dedos-dons, suas lanças / à travessia...”

Atravessar o mundo é descobrir o Brasil e espalhar o vento sem a poeira. É viver a travessia das distâncias, onde imaginamos o sonho, aspiramos o som do infinito e vamos ao encontro do tempo da conquista, como em Pedro Du Bois, “...Falo em não ousar / a travessia e ir sob a estrutura: molhar o corpo, / deixar cair o corpo , descorporizar. // Falo sobre pontes desnecessárias / unindo (ligando) travessias / ignoradas. Falo do bem-estar.”