meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

A Realidade Como Vício
por Tânia Du Bois

 

“...Sonhos reafirmados no acordar...” (Pedro Du Bois)

 

            Assim, à primeira vista, não há dúvidas: viciada na realidade é a pessoa que fala a verdade, mesmo que em situação delicada, no sentido da expressão, onde poderia dourar a pílula, usa a expressão franca. Fala sem intenção de prejudicar e magoar ainda mais a pessoa. Nas palavras de Machado de Assis, “No fim de uma coisa que acaba, há outra que começa... Ao cabo, só há verdades velhas, caídas de novo.”
            Não há dúvida sobre o profissionalismo: viciado na realidade é o poeta que escreve o que sente e vê. Vende a ideia, sem cumprir roteiro pré-determinado, sacudindo a nossa rotina ao apresentar cultura e história aos nossos olhos. Segundo Pedro Du Bois, “Na metamorfose / metafórica realização // transformação / além das palavras / sentidos / além das ideias / vida além da literatura.”
            Não há como não sentir atração por tantos livros e autores, viciado na realidade é o leitor que numa viagem não consegue deixar de visitar sebos e livrarias, mesmo que seja para dizer, só estou dando uma olhada. Nem que esteja fora do roteiro é hábito prazeroso.  Machado de Assis já dizia que “Ler as obras dos poetas e dos escritores é hoje um dos poucos prazeres que nos restam ao espírito...”
            Viciado na realidade é a mãe que ama, protege e orienta seu filho e depois colhe os frutos que plantou. A vida é desse jeito: o sentimento faz acreditar que finais felizes acontecem com quem tem consciência da importância de cuidar do filho; como em João Guimarães Rosa, “...como mãe gosta de um filho: orvalho de resflor, valia que não se mede nem se pede – se recebe.”
            De fato, não há dúvida de nada para quem é viciado na realidade, quando vê a claridade no escuro; ao contrário de quem tem medo do escuro estando claro. Podemos fazer cada qual a sua parte, para que a vida se torne menos assustadora. Como mostra IGdeOL, “Enxergo na luz / que agora reluz / A grande verdade / Que ver sempre quis:/ – O mundo feliz, /... O sentido da vida!...”
            Tenho orgulho de ser viciada na realidade, porque significa sorrir para a vida, enquanto vivida. Esta é a minha certeza; ser viciada na realidade é ouvir histórias (re)contadas e se dizer participante, quando ocorrem variações no histórico pessoal, associado às ideias. como em Gabriel Garcia Marquez, “A vida não é a que a gente viveu, e sim a que a gente recorda, e como recorda para contá-la.”
            Sorte? Penso nessa palavra por que, às vezes, a distância entre a sorte e o azar, a vida e a morte estão na realidade como vício: amar para ser amado, como lembra Norman Doidge, de que “O que uma pessoa imagina se torna um gatilho para as emoções e as ações...”