meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

 

loads.com.br

foto: luso poemas

AROMAS

por Tânia Du Bois

 

         

 

          Para a maioria das pessoas, o grande problema e desafio não é a degradação cultural ou social, é o cheiro. No dizer de Ivaldino Tasca, “Estamos aqui para sentir o aroma que vem da cozinha... sentir cheiros alucinantes... O cotidiano é um eterno sentir”. Encontro pela vida versões clássicas de aromas e pergunto: um cheiro muda tudo?

          No ar o odor marca novo ciclo de crescimento, conhecimento e expansão.  É favorável à lembrança; fortalece meu espírito nutrindo-me com as sensações trazidas por ele, como em Pedro Du Bois, “... um ramalhete simples / enfeita a sala de visitas // tenho a visão do jardim de ontem // aspiro o perfume / como sonho encontrado / de situações futuras...”.

          Ao lembrar, lanço o olhar sobre o passado; vejo os encontros ao redor da mesa, onde sempre havia alguém que se sentia desconfortável com o aroma exalado pela comida, mas também havia os que se sentiam atraídos e felizes por estarem dividindo o espaço com pratos “cheios de personalidades” que exalavam cheiro de plenitude e felicidade, pois, como dizem os poetas, “... a vida vale / pelas pequenas / lembranças”.

         Penso nesses momentos para compreender a importância do cheiro e para sentir, novamente, a agradável sensação de poder reviver o preparo das comidas, como quando o pai Moacyr preparava o Coelho ao molho de Laranja; a avó Carola, Peverada com noz moscada; D. Lenita, as suas maravilhosas panquecas e a mãe Annita, seu arroz com galinha.

         A vida tem muitos sabores que se apresentam em deliciosas versões no dia a dia, como: a pipoca tem aroma de alegria; o bolo da Marina tem cheiro de férias; o jasmim lembra os amigos; o cafezinho, encontros. Perfumes são fragrâncias de amor e liberdade. Carlos Drummond de Andrade expressa, “... E tudo fica um pouco. / Oh abre os vidros da loção / e abafa / o insuportável mau cheiro da memória”.

         Um cheiro muda tudo, principalmente quando vem acompanhado do sabor de festa; tristeza e melancolia desbravam cheiros desagradáveis, que tento evitar em minha ordem dos dias, como demonstram os escritores Ivaldino Tasca no conto Perfumes e Cheiros; e Pedro Du Bois no poema, “sou quem traz as flores / buquê em mãos / palavras ditas / pétalas no chão / na emoção do abraço / meras palavras / perfumando o caminho...”.

          Questiono os aromas por que eles se revelam na densidade da vida e também desvelam fantasias. Levam-me ao delírio ao me fazerem pensar que certas coisas são sempre iguais, como a dor da saudade e a emoção do encontro. Adriana Lima escreve que “Meu amor antigo / tem cheiro adocicado / da infância / fruta perfumada / de lembrança e / sem pressa de viver. // percebo desde então, / sofro por antecipação / sentindo o sabor da saudade / e o cheiro de jasmim limão...”; ainda, ressalto Fernando Sabino com O Encontro Marcado, romance publicado em 1956.

      Diante dos odores, observo as reações das pessoas, entusiasmadas ou não, que elas demonstram a verdade dos fatos na ilustração de suas vidas. Os aromas as influenciam e inspiram os escritores, principalmente os poetas, a ilustrarem a vida, o que me faz repetir: um cheiro muda tudo?