meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

d.Y2I&psig=AFQjCNG9UFNgeCVo10M6SHj7Q8WtdLiGZw&ust=1467037967680930com.br

 

 

As Certezas

por Tânia Du Bois

 

         

          Acabou a incerteza. Pergunto, tem certeza? Momentos de (in)certeza quem não os tem? Pedro Du Bois retruca, “Quem me traz / a dúvida / nesses tempos de plenas certezas?” O poeta diz que as suas dúvidas são as certezas que os outros trazem em letras ordenadas e imagens desordenadas, para que o sonho mostre sua face.

          Segundo Orides Fontela, “O duro / impuro / labor: construir-se”. Construímos vidas nas certezas onde contracenamos com o cotidiano e suas surpresas que deixam os corações aos pulos quando a dúvida persiste. Nas palavras de Luiz Delfino, “... eu tenho medo, sim! eu que amo tanto, / De me enganar: / Que meus olhos mintam mesmo o pranto / Minta o chorar...”

          Temos a certeza do caminho e a dúvida da hora e do tempo que desperta e, ao mesmo tempo, prende-nos em destinos: direitos e deveres, família e amantes, liberdade e vontades. A liberdade de tomar os remédios, ligar o som, fazer uma oração, abrir a janela, levar o lixo, fechar a porta... A dúvida em guardar o retrato ou rasgar o retrato. São ações que nos leva a certeza de optarmos pelos sentidos, pelo amor e para restaurar a solidão. Ao exprimirmos nossos gritos aos nossos ouvidos, com certeza teremos o homem e suas faces. Como em Wesley O. Collyer, “Vontade  de desabafar. / De falar das coisas erradas, / das que quero concertar. // Vontade de me rebelar / De achar uma  solução para tudo / De me encontrar...”

          A certeza demarca a vida, mostra o trajeto traçado em palavras, onde escutamos o barulho passando sobre as cabeças, e isto nos permite que a via passe e nós permaneçamos apenas acompanhando o caminho. Pedro Du Bois, diz que “...as notícias desdizem / os fatos: em afagos / relembro caminhos / intransitáveis”. No fundo a certeza é como o silêncio que rasga o tempo em horas de novas despedidas que, trazidas pelo vento, absorve a existência das incertezas, como mostra o livro A Incerteza da Vida, também de Du Bois.

          A certeza sucede o ato de entendimento ao construir a imagem do homem e sua vida, como fato e/ou grito da atenção. Vista em expressão, surpreendemo-nos e nos envolvemos pelas vozes da caminhada e o teor das entrelinhas.  Júlio Queiroz  expressa, “Tão fáceis farias sempre os dias / Se fosses a certeza garantida, /... e os retratos guardados com desvelo...”

          As certezas da vida nos levam a mais (in)certezas da existência, porque consistem em liberar as palavras nas mudanças da realidade, como o texto de 1984, escrito para a revista Isto É, por Mario Quintana, sobre A luta amorosa com as palavras: “...Prefiro citar a opinião dos outros sobre mim. Dizem que sou modesto. Pelo contrário, sou tão orgulhoso que nunca acho que escrevi algo à minha altura. Porque poesia é insatisfação, um anseio de auto-superação. Um poeta satisfeito não satisfaz. Dizem que sou tímido. Nada disso! Sou é caladão, introspectivo. Não sei por que sujeitam os introvertidos a tratamentos. Só por não poderem ser chatos como os outros ?”

          Quando achamos que temos todas as certezas, a vida vem e muda as (in)certezas: as respostas viram novas perguntas...