meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

d.Y2I&psig=AFQjCNG9UFNgeCVo10M6SHj7Q8WtdLiGZw&ust=1467037967680930com.br

 

 

CONVITE

por Tânia Du Bois

 

“Convite //... Veja só, queres brincar? / É pra trazer quase nada / só vontade de sonhar... / Tenho um pouco por cá / e o pátio da vovó / outro tanto vai nos dar...”.

(Dinair Fernandes Pires)

 

     O convite entra em cena quando o recebo. O próprio exibe o “evento” e faz ponte para o relacionamento. Faço planos e escolho a melhor forma para comparecer. Porém, fico alerta ao verificar se o convite é real, para não cair na armadilha do “infiltrado, peru ou furão”, vulgarmente falando. É uma tentação ser o convidado. Segundo Mario Quintana, em seu livro Da arte de fazer visita, “Sempre que o convidavam a uma casa, perguntava-lhes se podia levar um amigo... Deixava então os outros conversarem enquanto eu fingia que escutava”.

     A cada convite que recebo, reflito que ele precede o ato e o entendimento para a falta do conceito, que se repete no ímpeto, chamando a minha atenção. É nesse ponto que comparo o convite a um ato fantasioso, por que a sociedade não dá respostas satisfatórias e o homem sempre está em busca de soluções mágicas. Márcio Catunda pergunta, “Como fazer para que não percebam / que conheço a psicose deles? / Como suportá-los, sem que me torne um deles? / Como não me confundir com a doidice deles? / Como não revelar as nossas diferenças indiscretamente?...”

     É difícil controlar a ansiedade quando carrego meu medo ao ser convidado para qualquer evento; talvez seja a minha vez de ser mais um, o outro ou apenas o conhecido para fazer número. Lá, conservo-me alerta e me encerro no olhar da espera. Por vezes, considero não ser o momento e nem o lugar apropriado, ou nem me sinto à vontade para ouvir risadas e versos, nem dividir lamentações, por que o tempo passa sobre mim em única sombra: por que fui convidado? O que trago comigo para ser o escolhido? Jorge Tufic revela, “Algumas coisas / chegam / tarde demais. / O tempo é a nossa ausência”.

     Outras vezes, penso em não aceitar nenhum convite e parar para refletir sobre que rumo deveria tomar. Então, a vida vem e me convida a uma pausa para escolher entre a emoção, o desejo e o objetivo de me harmonizar com as pessoas. Com essa sintonia fortaleço os desejos e os relacionamentos e, ainda, experimento novos caminhos, como aceitar o convite. Pedro Du Bois demonstra, “Proposta / aceita / se preparam / para ação // na frieza / dos gestos / o silêncio / dos corpos / a escuridão / das mãos...”.

     Nesse momento, cessa o meu medo e restam as cenas comuns que tenho sobre o “anfitrião/patrocinador”: ter sido o PODER. Eu, como em Lêdo Ivo, “Ando na multidão e o meu nome é Ninguém”. Sei que não é hora de fantasiar e sim de atuar em benefício próprio. É hora de transformar a minha ação em retorno, como convidado.

     Mas, e quem me convida para desafiar a vida? Tenho coragem para desafiar a mim mesmo no experimentar algo diferente e pensar de outro modo, que todo convidado tem em comum a força do pensamento como elemento provocador do que se quer: atrair o que lhe é oportuno. Nas palavras de Oscar Wilde, “Eu não quero desnudar a minha alma / diante dos olhos frívolos e curiosos”.