meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

.Y2I&psig=AFQjCNG9UFNgeCVo10M6SHj7Q8WtdLiGZw&ust=1467037967680930com.br

 

BATE bate CORAÇÃO

por Tânia Du Bois

 

“Os poetas sabem porque Todas as palavras não dizem nada

quando dizem o que o coração não diz”.   (Lígia A. Leivas)

 

          Existe coisas na vida que são impossíveis descrever; porque a emoção em ver alguém que desejo ou senti-lo perto é grandiosa e faz meu coração bater mais e mais forte, como canta Elba Ramalho: “Bate, bate, bate coração / Dentro desse velho peito / você já está acostumado / A ser maltratado, a não ter direitos // Bate, bate, bate coração / Não ligue, deixe quem quiser falar / Porque o que se leva dessa vida, coração / É o amor que a gente tem pra dar...”

          Em cada gesto e em cada olhar sinto a mudança e a expectativa de que um dia “nos veremos de novo” e será uma nova emoção. Essa sensação ninguém me tira, apenas a tenho, como em Pixinguinha, “Meu coração, não sei por que / Bate feliz quando te vê / E os meus olhos ficam sorrindo / E pelas ruas vão te seguindo,...// vem matar essa paixão / Que devora o coração / E só assim então serei feliz, / Bem feliz...”.

          Em cada lembrança sinto como se você estivesse presente, o que comparo ao raio de Sol, que é a pulsação da pura emoção; como se estivesse num campo com trigo, com dourado reflexo e o vento tocasse meu corpo. Carmen Presotto descreve, “Essa tua voz macia / que ao cantar me acaricia /... aí coração, bate / brinca canta ama / faz alarde, seduz...”.

          Marina Du Bois pergunta “De quem foi a ideia de deixar-nos ter recordações? Especialmente aquelas que se avivam com um cheiro, uma canção, um lugar, uma palavra. Estas deveriam ser banidas, pois são crimes hediondos, tamanha é a dor por ela causada. Talvez a culpa seja nossa. Sim minha, sua  e de todos aqueles que amam ou amaram, ou ainda, foram amados...” Trago a emoção em cada batida do coração, mas me é difícil descrever o quanto cada palavra dita, rescrita é luz e liberdade. Marina Du Bois, ainda: “Teu amor / me faz forte e/ me enfraquece.  / Descompassa o meu coração / ao mesmo tempo que o enternece. / ...só de pensar me dá um frio / e, neste momento, nem sinto mais / os meus batimentos...”

          Quantas vezes meu coração “fala” mais alto que a razão,       quando não está preparado emocionalmente ou nem pensa em desejar o amor com tamanho grau de grandiosidade? O pensamento leva à emoção, que me renova as lembranças e altera as batidas do coração, que ele manda e comanda os meus atos. Horácio Costa revela, “No ritmo da minha pulsação / Que sobre o vazio penso / Em ti”.

          Meu coração bate mais forte quando escuto razões para amar e ser amada. Poder rever o amado, ser vista e lembrada é das mais fortes emoções. Cada minuto que revivo são horas de sentidos e sentimentos. Nas palavras de Lúcia P. Góes, “Bate , coração, bate // Minha gente, / eu sou o coração / que bate, bate, /...que faz viver, / que faz sonhar, / que faz amar, / ...que apressa o coração, / meu tic- tac  danado, / que é desejo acelerado / de viver pra sempre / junto do amado...”