meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

d.Y2I&psig=AFQjCNG9UFNgeCVo10M6SHj7Q8WtdLiGZw&ust=1467037967680930com.br

 

QUAL É O NOSSO LIMITE?

por Tânia Du Bois

 

     Esta pergunta provocativa norteia a nossa vida. O desejo é o mais consciente sentimento ao tecer a teia de expectativas, que aos poucos vai se alastrando em nossa alma até alcançar ou ultrapassar o nosso limite.

   Faço desta pergunta o mote para as intervenções; com ousadia, endosso as artes, por exemplo: o compositor Noel Rosa, pela excelência de suas letras e músicas e, por sua postura inquieta, explorou ao máximo os recursos da tecnologia – no caso, o rádio – para levar a sua produção ao maior número de pessoas; chegou ao seu limite quando foi considerado o patrono da inovação na arte brasileira.

   Algumas pessoas são metamorfoses ambulantes, em busca de seus limites elas se tornam incomparáveis e quebram paradigmas em áreas que transcendem ao cotidiano, o que se dá por razões que nos permite arcar com alto grau de visibilidade e criatividade. Assim, é possível meditar sobre o que mudaria a nossa visão de mundo, para saber qual é o nosso limite.

   O escritor é quem demonstra o limite de forma criativa e brilhante, por que é a perfeição do artista que faz referências às épocas e fatos, mostrando os rastros do tempo ao espalhar suas palavras ao vento; e o seu limite, no modo com que representa os símbolos da linguagem: atemporais e universais. Nesse sentido, a descrição e a composição vêm acompanhadas da solidão, que está ancorada na imaginação pela feição literária. Encontro Manuel de Barros que explora o simples e tem por limite transgredir na poesia, como em “Desbiografias // Bernardo morava de luxúria com a sua lesma. / Não era fácil ficar ao seu lado sem receber algum contexto de lesma. / Nossa linguagem não tinha função explicativa – mas só brincativa. / Tipo assim: Eu vi uma pedra emocionada de borboletas... ////... A gente queria com as nossas visões afastar do bom senso o que fosse racional. / E cair no absurdo que faz a beleza da poesia: tipo assim: Nós vimos um sapo ajoelhado / no próprio abandono -...”.

   Até que ponto temos consciência de que estamos em nosso limite? Talvez o pensamento expresse a construção e a desconstrução das palavras, dos sentidos, enfim, de viver e exercer a nossa humanidade. Penso que o nosso limite está atrelado às inúmeras páginas de experiências e rascunhos de ideias, que podem reescrever os mistérios da vida.

   Criar é um dos segredos para a constante mistura de satisfação e limite, que nos consome com a certeza de mudar a realidade (tão complicada que ela é). A realidade que, ao mesmo tempo, nos provoca exaltação e, definitivamente, não a podemos conceber na vida sem sermos abraçados pelos limites.

   Para saber qual é o nosso limite, basta não desistirmos dos ideais e das ideias, porque é na diferença que crescemos, transformamos e percorremos as obras literárias, que nos fascinam por ultrapassarem o nosso cotidiano ao misturar vozes que tecem e entrelaçam as trajetórias sem limites.