meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

d.Y2I&psig=AFQjCNG9UFNgeCVo10M6SHj7Q8WtdLiGZw&ust=1467037967680930com.br

 

 

LIVROS E LOMBADAS

por Tânia Du Bois

  

“Nos livros / as lombadas / riem de nós / como nelas descobrir /suas verdades? // Nos livros / as lombadas / nos cansam /como estivéssemos a subir / andar por andar tentando descobrir / nos segredos do último pavimento /  o que está dentro de nós.”                                   (Pedro Du Bois)


           Vocês já notaram que as pessoas quando entram em livrarias voltam-se apenas para os livros com lombadas? Nem percebem os sem lombadas. Até porque, não temos cultura, nem tradição, para considerar o livro apenas pelo seu conteúdo.

          A principal parte de um livro não é o significado das palavras? É interessante, porque sempre pensei que a leitura se desse através do gosto pela literatura. Porém, dei-me conta de que muitas pessoas procuram livros para comprar através de dicas de revistas, da aparência e do que está na “moda”. Não é justo, muitos escritores brasileiros, bons, não têm acesso a essa divulgação e nem são alcançados pela mídia.

          Conheço a história de um casal apaixonado pela literatura. Ele, poeta, edita seus livros de forma oficial: ISBN, ficha catalográfica; ela confecciona as capas dos livros em uma impressora HP, simples. O engajamento deles é tão grande que contagia a todos que estão por perto. Seus livros não são comercializados, talvez, por não terem lombadas; são doados, distribuídos em bibliotecas, colégios e entre os amigos. O retorno desse trabalho é gratificante, esperançoso e prazeroso.

Um dia, esse escritor resolveu participar de concurso de poesia,em São Paulo, com a apresentação de um livro, foi premiado com o primeiro lugar, reconhecido por mestres em literatura. Só então teve o seu primeiro livro com lombada.

          Por incrível que pareça, nem ganhando o concurso e sendo divulgado, tornou-se conhecido; mesmo assim, não foi suficientemente mostrado para merecer a atenção da mídia. Isso não o abalou. Ele continua firme e forte, confeccionando artesanalmente os seus livros e, também, mantém a sua luta literária, escrevendo e divulgando seus textos com paixão.

           A esperança persiste, como em Manoel de Barros, o que não o faz desistir. Manoel, no início da carreira, também confeccionou artesanalmente seus livros, com a ajuda da sua mulher; teve a persistência para manter-se poeta até ser descoberto pelos editores. Hoje é consagrado e tão inspirador que, com a sua poesia, leva-nos ao “estado de passarinho”, como no seu poema: “A poesia está guardada nas /palavras – é tudo que sei /... Poderoso para mim não é aquele que descobre o ouro...”