meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

.Y2

I&psig=AFQjCNG9UFNgeCVo10M6SHj7Q8WtdLiGZw&ust=1467037967680930com.br

foto: leleka amor mal resolvido

MAL de AMOR

por Tânia Du bois

 

“... O amor desperta sentidos / inimagináveis e o transforma 

em dias de recordações...”  (Pedro Du Bois)

 

Desde daquela manhã, quando revi seus retratos, fiquei inerte, alheia como se o amanhã estivesse distante. Não quero vê-lo. Não vou esperá-lo. Não me despeço, porque ficaria sem coragem e sem a sorte que precisaria para dizer adeus. Nas palavras de Fábio Albuquerque, “... o amor / se revelou um pouco tarde / e ainda fere-me / com o silêncio da fotografia”.

Ele entrou em minha casa, correu sua vista sobre o meu corpo e me fez feliz. Hoje, ainda penso aqui dentro, sem ruídos; sei a dor profunda que sinto. O silêncio não me acalma; há dor no peito sem palavras; então, me surpreendo atrás da porta para não mostrar o sofrimento. Segundo Paulo Monteiro, “há quantos anos não vejo / quem foi meu primeiro amor / hoje só vejo meus sonhos / pelas janelas da dor...”

Minha vida tem se misturado à nossa história. À noite as lembranças chegam e persistem, clareando o amor perdido e sem retorno. Machado de Assis escreveu “Lágrimas não são argumentos.”

            De manhã, enquanto caminho, entrego-me à idade e lamento o amor não vivido nas passarelas da luz. Fantasio o meu amor e me desafio nas tardes, com o por de sol ao som do Bolero de Ravel. Então, lembro as cenas, os beijos rasteando o horizonte que se esgota na memória fotográfica. Mário Benedetti expressa, “...com esta solidão /desnecessária / vazia // se pode algumas vezes / entender /o amor”.

            É hora de solidão e inverdade sobre a felicidade e de retirar da parede o retrato, como demonstra Mariana Ianelli, “Logo voltas as tuas saudades antigas, / ...Porque és o teu regresso, /nas tuas buscas iludidas / e no teu desamor”. Sozinha, sinto que o amor oferece resposta ao ondular sobre os sentimentos: o mal de amor.      É na vista azul que luto contra os sentidos, converso com a poesia e encontro manhãs sem luz.  Conformo-me e mal revivo as emoções. Eduardo Martins pergunta, “Quem um dia já não foi / em visita ao seu passado?” 

Hoje, tenho vida sem paixão nos minutos de lembranças e nos desencantados dias que passam escuros e falecidos. Gasto o tempo no mal de amor e não tenho mais forças para sentir saudades. Vivo a condição entre a vida e a poeira, como encontro em Américo Conte, “... O que faço sem você? / Os meus dias são de melancolia / e as minhas noites de martírios //... carrego uma angústia no peito / e um vazio no olhar / a procura da tua imagem / que vejo em tudo que é lugar. / E assim me arrasto pelo mundo / magoado com esta vida / que me alijou do teu aconchego / e me fez perder o gosto de viver”.