meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

loads.com.br

MÁSCARA e MASCARADOS

por Tânia Du Bois

 

“Brasileiro é alegre, um ser

dotado de musicalidade incrível”

 (Bibi Ferreira)

              

               Carnaval é a festa onde temos a oportunidade de fantasiar histórias reais, pelo menos por alguns dias, fazendo do mundo em que habitamos um mundo encantado. Aproveitamos o carnaval para descobrir momentos e passatempos com pessoas alegres, dançando e fazendo dançar nossas fantasias.

               Chico Buarque em A Noite dos Mascarados, de 1967, canta o tema para brincarmos sem medo no carnaval, fugindo da determinação da vida e permitindo-nos viver o nosso querer e o colocar na passarela. “Quem é você // ... hoje os dois mascarados // ... Mas é carnaval / Não me diga mais quem é você // ... deixa o dia raiar / Que hoje sou eu / Da maneira que você quer/  O que você pedir / Eu lhe dou / Seja você quem for..."

               A máscara esconde o tempo e o transforma, muitas vezes, em passado inesquecível,  retornado em horas que chegam ao carnaval em plano pessoal, o que motiva, desafia e ainda diverte, como retratam Zé Kéti e Elton Medeiros: “... É só nos carnavais / encontrava-te sem encontrar este teu lindo / olhar... / na esperança de que tivesse esta máscara / que sempre me fez mal / mal que findou só  / depois do carnaval.”

               Os mascarados encontram inspiração para reinventar os dias de carnaval em cores de alegria, como símbolos da criação, como Carybé, um dos pintores que melhor retratou a beleza da alma e da vida baiana, sempre presente na arte popular. Também em Romero Brito, que através da sua arte alegre e colorida, criou personagens inspirados no carnaval do Nordeste e do Rio de Janeiro. Assim, inspirado, Francisco Alvim descreve, “Carnaval //  Sol  //... O mundo, uma fantasia...”. 

               Os mascarados fazem do carnaval o espaço para se sentirem livres e transformarem aqueles dias no embalo pelas passarelas, durante os desfiles. O sucesso do carnaval reside na insistência e no prazer em participar e estrelar com personalidade e talento que, muitas vezes, falta nos dias comuns. É preciso ter vontade e coragem para ser carnavalesco, no entanto, com as máscaras, tornam-se desconhecidos para quem tudo se torna permitido: novos amigos, novos passos, muita purpurina e plumas, como na marchinha de Zé Kéti e Pereira Mattos, “Quanto riso, oh / Quanta alegria //... Na mesma máscara negra / que se esconde teu rosto / eu quero matar a saudade / vou beijar-te agora / não me leve a mal / hoje é carnaval.”