meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

loads.com.br

JOGO do NADA

por Tânia Du Bois

 

“O mito é o nada que é tudo.” (Fernando Pessoa)

 

        Não se trata do jogo do tudo ou nada. Nem como diziam antigamente, que quem tudo quer tudo perde. Há situações que desenhamos em palavras o nada. Como compreendê-lo em sua totalidade? Qual o fio condutor que lhe dá sentido? O sentimento é uma das comunicações que se manifesta e contamina o que está sendo escrito ou lido; assim, em Cora Coralina, “...sei que nada do que fazemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.”

A forma como vivemos o dia a dia constrói a nossa história. Digo que não é fazendo o jogo do nada que incentivamos e transmitimos os nossos desejos, como mostra Pedro Du Bois, em seu livro o Jogo do Nada, “Procuro o que sei encontrar... //abro as cortinas / a visão enlouquece. // Procuro coisas de sempre / nos mesmos lugares / até que o nada me imobilize.” E, em Teresinka Pereira, “...Minhas palavras / se reduzem ao abismo do tempo, / não vejo sequer o horizonte: / sou espectadora do nada!”

        O desafio não é fazer escolhas difíceis, mas ir ao encontro dos desejos e das expectativas. A maneira como vemos o nada pode ir além, para que tornemos realidade ou o possamos reinventar para viver, até mesmo como um jogo do nada. Segundo Macedônio Fernandez, “Las únicas muertes que El hombre conoce son aquellas a que se sobrevive” e, Mário Faustinoexpressa, “...Estas só de mãos vazias todo cheio de nada...”

        Porém não o subestime, que o poder de sedução passa pelo nada, quando lemos sem ver, por exemplo, não tecemos o amanhã, apenas vivemos o instante em fendas e damos uma desculpa esfarrapada para a vida, assim como mostra Pastorelli no poema Escrevo o Nada: “Escrevo tudo o que nada tenho / E escrevo o nada que tudo trago. / E nada escrevo porque o escrever / É decifrar o indecifrável / Que na alma tenho e perdura...”

        Há momentos em que o nada faz melhor do que seu jogo de palavras: poesia. Além de aumentar a sensação de estar fazendo algo prazeroso, demonstra interesse pela vida, evitando assim o vazio da tristeza. Lígia Antunes Leivas reflete que “Meus pensamentos são nadas. / Andam sós / são mágoas...” e, Márcio Ibiapina diz, “O pensar é sorte, / Abandone o macio / No mar dos escombros. / Construo sonhos / Ou arquiteto o vazio...”

        Muitas vezes, pergunto, ao nos “enchermos” de várias coisas, compromissos, vontades, verdades, por que continuamos vazios, sem nada?

        Para dar conta de tudo o que temos de fazer no dia é preciso dar atenção aos atos. Em meio ao turbilhão diário, o essencial é encontrar tempo para nos realizarmos e assim, evitarmos o jogo do nada: procurar a nossa história em cada leitura, como em Thereza Freire Vieira, “... O vazio é o nada. / O nada não tem movimento, / nada quer, nada deseja, / nada espera, nada sente. / Como pode o nada consumir, / tomar proporções imensa, / enchendo a nossa vida, / transbordando a nossa alma, / sufocando os pensamentos, / fazendo-nos abortar / no nascedouro...”