meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

d.Y2I&psig=AFQjCNG9UFNgeCVo10M6SHj7Q8WtdLiGZw&ust=1467037967680930com.br

 

 

ÓDIO em Vertentes

por Tânia Du Bois

 

 

        O homem procura a harmonia e, muitas vezes, encontra o ódio no infinito, na desilusão e no olhar perdido no chão. Nas palavras de Pedro Du Bois, “... O ódio é o remanescente / do medo exacerbado / diante dos sorrisos / opostos à luz / do momento...”

        Classifico o ódio como sentimento de empobrecimento que atinge e consome as pessoas, que domina a força através da qual o tempo não muda. Carlos Pessoa Rosa, alerta que “... o ódio existe, é pela euforia descabida de uma sociedade desigual... talvez o ódio, ...faz seu ancoradouro pela impossibilidade da imortalidade. Aí a alma começa a mostrar os dentes. Sofrimento insano...”

        O ódio é troca de horas perdidas, representada na esforçada liberdade da imaginação – fictícia liberdade de escolha que fornece argumentos para a criação. Tal sentimento oferece arte autêntica como recompensa pela indução a ele. Mas, o que significa ser autêntico nesse panorama?  Penso ser autor capaz de elaborar o viés do ódio no poema e na prosa, provocando reflexão no leitor para permitir a crítica e a reconstrução, como o livro de Bulcão Neto, A eloquência do Ódio, “...no vazio, o Ódio criou seu próprio objeto valendo-se apenas da eloquência”.

        O escritor assume o tema através da tensão generalizada: na medida em que esse sentimento for juntado com o conhecimento o autor tem a cena em que se revela que quem não for amigo é inimigo.

        No descrever o sentimento do ódio há a tristeza que invade o espaço da página branca, como em Fernando Pessoa, “... o ódio é mais intermitente que o afeto; sendo uma emoção desagradável, tende por instinto de quem os tem, a ser menos frequente. mas tanto o ódio como o amor nos oprimem; ambos nos buscam e procuram, nos não deixam sós”.

        O labirinto odioso toma seu rumo na rédea solta pela imaginação, reconstrói a trajetória na mente do escritor; cabe a ele amargurar e até inverter e denunciar os valores; lastimar e desabafar. Sua obra é a prova: é homem com ódio da vida, é seco nas expressões, mas, mesmo assim, é arte e é belo. Em Armindo Trevisan encontramos,“...em teu corpo, nosso corpo / flagelado, metralhado, dividido; / a pele dos esfolados, / o ódio dos oprimidos...” O escritor é especialista em promover desencontros entre os personagens e defender a tese de que neste mundo permanece a incompreensão entre as pessoas.

        Por vezes, ao lermos poesia ou prosa, não nos damos conta de que estamos no território do ódio que a beleza do texto disfarça a ruindade lá contida e cultiva a curiosidade do leitor. Lemos e gostamos do resultado, enquanto obra de arte, como em Marly B. Palma, “Quando estou enfurecida, sou tempestade, / sou trovoada, sou relâmpago com raios, / com direito a ventania, um furacão...”

        A arte de escrever sobre o ódio carrega a glória pelo nada, no modo indireto do sentimento cruel e da desesperança, onde o autor estabelece seus juízos e forma textos provocativos, como em Murilo Mendes, “...O ódio, o mal, a desesperança. / Mas não quero continuar minha tarefa. / Dá tua herança aos urubus...”

        Penso que o tema é popular, mas, intelectual, onde cada autor em seu estilo envolvente e, temperado por pitadas do ódio, retrata o sentimento que, sabemos, é parecido com a nossa realidade: mundo de competições e da incomunicabilidade entre as pessoas, restando à literatura, desdobrada em suas vertentes e abrangências, unir autor e leitor num mesmo objetivo que, por questão de ordem, atua como gerador de ideias e do saber, assim como retrata Rodrigo Cézar Limeira, “... E às vezes eu me sinto como uma ilha, / cercada de desamor por todos os lados, / As pessoas padecem sem amor na vida, / E veem seus sonhos adormecerem abandonados”.