meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

d.Y2I&psig=AFQjCNG9UFNgeCVo10M6SHj7Q8WtdLiGZw&ust=1467037967680930com.br

 

Papel& Imaginação

por Tânia Du Bois

 

              

 

               Um simples pedaço de papel mostra vários significados e, junto com a imaginação e a simbologia, sentimentos e sentidos, as palavras têm significado e representações únicas para cada escritor/leitor. Para Gilberto Cunha, “... Somos herdeiros de conhecimento. Isso equivale a dizer que, recebendo conhecimento de outros, também podemos herdar visões do mundo...”.

               No papel as palavras adquirem força imagética ao se difundirem para a sociedade e se tornarem símbolos: escrevo aqui, leio ali, imagino lá e pronto: o papel e a imaginação são cúmplices da minha arte. Trazem dias de coragem e conquistas diante do cotidiano, ao agilizar as tarefas. Harry Laus bem retrata, no livro Os Papéis do Coronel, a questão de escrever na formação das imagens e na questão das influências no processo da escrita.

               Confio na sensibilidade dos escritores e acolho estilos que reforçam vínculos com o que quero e gosto, dando-me aconchego na vida. Sérgio Buarque de Holanda expressa, “em outras palavras, seu pensamento é de fato sua forma” e Gilberto Cunha reflete, “... Que aconteceria caso tudo o que foi publicado no mundo, até hoje, fosse impresso em escala nanométrica? Simplesmente, toda a informação que a humanidade já registrou na forma escrita poderia ser transferida para um panfleto (estilo anúncio de supermercados), não escrito em código, mas na forma de reprodução de imagens e estampas originais e tudo mais, sem perder a resolução...”. Indago sobre o saber ao ler o que o autor tem para dizer, ou seja, se suas ideias são compreensíveis. Uso a informação para bem viver e assim alimento a minha autoconfiança. Na visão de Carlos Maria Domínguez, “Os livros são perigosos: mudam o destino das pessoas”.

               Busco nos livros (e panfletos?) prazer e criatividade, para organizar os sentimentos. Em que, ao diminuir a intensidade emocional, posso dimensionar a vida com clareza, como em Geraldo Vandré, “... A certeza na frente, a história na mão...”.

               Para quebrar a rotina e ter atitudes que favoreçam a lógica, harmonizo o meu dia a dia, com os escritores e suas obras, como em Jaime Vaz Brasil, “... Quando a palavra / amanhece // desaba /e fusiona tudo // à fenda de um pesadelo / que espia seu conteúdo”.

               A arte de ler e escrever é via de mão dupla, torna-me cúmplice e parceira da literatura. Sob a influência da imaginação a leitura se torna urgente em minha vida. O bom é que aproveito o luxo de haver tempo para ler. A diferença é que quem dita o ritmo da vida sou eu ao escolher o que ler e o que não ler; assim, encontro Carlos M. Domínguez na obra A Casa de Papel, que descreve “o amor destemido pelas bibliotecas e pela literatura” e Guillaume Musso que demonstra no livro A Garota de Papel, uma história de amor que se desenvolve no encontro entre o real e o imaginário.

               Escritores e obras representam desafios intelectuais e se tornam invencíveis quando se juntam à imaginação. Fico impressionada com a “faxina” emocional que faço ao descobrir a importância das palavras colocadas no papel como chama de vida. Paulo Monteiro revela, “perdi o sono / enquanto isso / escrevo poemas /... e minha insônia / será que sonha?”.