meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

d.Y2I&psig=AFQjCNG9UFNgeCVo10M6SHj7Q8WtdLiGZw&ust=1467037967680930com.br

 

PLACAS

por Tânia Du Bois

 

           

 

            Pedro Du Bois pergunta, “... escrevia “placa” ou “cartaz”. Será que há alguma diferença entre uma palavra e outra? Não caberia aqui tentar estabelecer a diferença gramatical – ou de dicionário - entre uma e outra?...” Desde tempos remotos, usam-se placas para anunciar e informar. A placa demarca o colher e o cultivar. Está relacionada à cultura e faz diferença quando transmite ao leitor consumidor o seu real sentido, por que os leva a entender e conhecer o que está anunciado. Claro, se estiver escrito corretamente. Erros gramaticais nas placas são vistos como falhas no processo de desenvolvimento do local onde são encontradas, a embaraçar bruscamente a visão. Como diz Helena Rotta de Camargo, “A tentativa de abrir a porta do sucesso, com uma chave falsa, acaba por emperrá-la definitivamente”.

          A pergunta a ser feita é: o que mudou? Foi o grau de instrução ou a formação cultural de quem faz as placas e não as consegue ler corretamente? Não há como sustentar erros de grafia. É preciso apostar na manutenção cultural. Também não dá para insistir na tese de que tudo é válido, como se fosse “detalhe esquecido e não lembrado”; impossível por que dissemina a ideia de um mundo jogado ao mercado capital, sem preocupação cultural.

          Na placa, o importante é que seja transmitida a mensagem em corretas palavras e sentido, para que se faça compreensível na leitura das pessoas. A presença do produto anunciado ou a indicação e a informação seja, de fato, a representação fiel e clara do seu propósito inicial. As linhas do desenho, juntamente com as palavras, devem significar o anunciado e, ainda, demonstrar reflexo cultural; a placa é oportuna demonstração de nova e ampla consciência global, dando sentido à inquietação ou satisfação com o que pretende representar; caso contrário, mostra indevida coexistência com o precário em cada palavra mal escrita; como expressa Helena Rotta Camargo, “Deus me livre conviver com a nudez intelectual, os sonhos mirrados... / Nessa desordem, o que haverá para regalar-se ou saciar o ímpeto dos sentimentos?”

          Quando olho e leio o conteúdo da placa, percebo ser cada uma a porta-voz do povo, cartão de visita, espelho cultural. No entanto, certas placas demonstram o quanto, ainda, precisa-se percorrer até que a ignorância, seja efetivamente, erradicada. Assim, “Na compra de um coxão ganhe um trabeceiro de brinde”; “Todos os produtos desta mesa contém glúteos na composição”; “Panetone Pulmão”; "Roupas de inferno infantil”; "Frango bovino” (Coisas do Brasil/maio/2015).

          Atualmente, vivemos num mundo digital, onde tudo acontece rápido e as pessoas estão sempre atualizadas, ligadas nas notícias em tempo real. Aí, precisa entrar a consciência em “denunciar” ao órgão responsável a necessidade da correção das “palavras indecifráveis” nas placas; conviver com os procedimentos para prevenir e ajudar a combater esse problema cultural, alertando-se para garantir “a mão que escreve” e contribuir para a correção da escrita nas placas.