meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

ls.com.br

foto: pt.depositphotos.com

PONTOS DE INTERROGAÇÃO

por Tânia Du Bois

 

         

          Ouvi a expressão, “piranhas no andar de cima”; porém, hoje, andam contando os passos no térreo e colhendo aplausos? Castelman expressa, “A caça da onça é sempre divertimento, o combate ao jacaré, um simples passatempo, o encontro com as serpentes venenosas é um acontecimento diário, mas falei-lhes de piranhas e vereis que seu rosto se contrai exprimindo horror”; Pablo Neruda pergunta,” Por que o tubarão não ataca / as impávidas sereias?”

          Somos a embarcação flutuante que navega direito, apenas a naufragar nas águas frias e salgadas? O discurso segue o caminho que nos conduz à formação rochosa? Na passagem do tempo ficamos assistindo o empilhamento de pedras em várias alturas no equilíbrio possível?

          Quando será suspenso o “concurso” de mentiras? Se os dias são iguais, por que tropeçamos no primeiro de abril? Há prêmio para quem criar “invencionices inusitadas”? Ou para quem detalhadamente constrói através da mentira? Quantas artimanhas são utilizadas para alcançar o poder? Há recompensa para quem ao ludibriar os fatos gere “cascatas” que resistam ao tempo?

          Prestemos atenção, as cores do dia são pintadas com tons contrastantes, vibrantes e conflitantes; então, quantas composições diferentes se multiplicam aplicando a inverdade e dinamizando a maldade? Pablo Neruda completa, “Se fundirá tua destruição / em outra voz e em outra luz?”

          Considerar o fato como capricho é pontuar o semelhante e o desprezar? A verdade deve vencer a mentira? Cada coisa tem sua hora e lugar, certo? É possível dizer as palavras certasno seu devido tempo, sem inventar palavras que atropelem o tempo? Agir por vontade própria, com gosto, cor e uso é descumprir a lei? É desfiar o distorcido com a técnica da execução? Neruda questiona, “que coisa irrita os vulcões / que cospem fogo, frio e fúria?” e “Com que direito numeraram as uvas do cacho?”

          Alguém escreveu que “A araucária nos acompanha do berço até o momento em que descarnamos. Traz renda e benefícios para todos... tem fazendeiro destruindo essa espécie fantástica. Se ele cortar a araucária crescida pode ir preso. Criou-se um desamor à espécie. A lei é burra – só proíbe e não busca soluções. Só falta vontade política... a cutia, boa de ouvido, não perde o ruído da pinha caindo”.

          Não temos dentes, nem garras para abrir o pinhão. Como fazer da vida a “luta” diária que nos mantenha vivos? Pablo Neruda pergunta, “É verdade que as esperanças / devem regar-se com orvalho?”