meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

l

A COR do AMOR

 

          Como nas palavras de Diego Chimango, “Quisera eu ter versos de Vinícius / Para descrever teu andar, teu olhar, teu calor... / Quisera eu ter a pureza de Quintana / Para dizer-te ao ouvido singelas palavras de amor...”.

        Os sentidos provam ser a cor do amor a de uma vida feliz, que beneficia o coração. Uma das razões mais comuns é descobrir o momento para expressar esse sentimento sem perder o foco no que realmente importa. Qual é a cor do amor? Segundo Dinair F. Pires, “... o amor tomou forma, / ganhou espaço, / deitou raízes, / instalou-se na alma...”.

        Ter clareza quanto ao confronto do coração com relação ao que queremos e o que incomoda; como o outro pode perceber e entender as intenções; dizer em quem e no que acreditar, para que amar e ser amado tenha espaço e o tempo certo para a compreensão das diferenças.

        Fazer a abordagem de acordo com a cor do amor, com os sentimentos e os sentidos, que a percepção varia na proposta de ter na cor do amor o final feliz, como expressa Valmor Bordin, “Suspira docemente / então falarei / até você sorrir. //... Peça e tocarei / a harpa do amor / guardada dentro de mim”.

        Cabe lembrar que a cor do amor é emoção para ambos, no exercitar a vontade na razão do encontro do ponto de vista em comum a serem encontrados nas diferenças. O essencial para amar e ser amado é não perder a cor do carinho, da atenção, do pegar nas mãos, do abraço e das palavras; como em Dinair F. Pires, “Troca de olhares, / expressão de luz. / Mãos entrelaçadas, / tímidos abraços. / Beijos encabulados, / toques mais ousados. / Passos apressados / para ver o amado...”.

        Para entender a escolha da cor do amor não podemos perder as referências pessoais, em que o gesto é manifestação de afeto, mágico, por criar momentos agradáveis; na atenção prestada ao tom usado para o amor, como cores a dar ritmo à vida, como revela Luiz Coronel, “... Iluminado de amor... // De onde vem essa cor? E que mistérios conduz? / Dispensa auroras e luas / o corpo com sua luz...”.

        A cor do amor pode erotizar a relação no trazer esse universo na diferenciação do dia a dia e criar momentos de prazer e alegria, assim como retrata os escritores Carlos Higgie, em seu livro Caleidoscópio, “Fechava os olhos e estendia as mãos. Feito Rodin, apaixonado...” e, Ivaldino Tasca, “Quantas paixões cada ser humano pode ter ao longo da vida? Na cor... a vida só é completa no plural... Quem suporta só amarelo?”.

        Amar traz a possibilidade de quebrar a rotina e intensifica a esperança ao compensar os desafios do cotidiano. A cor do amor é a luz que ilumina o caminho na concretização dos sonhos.