meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

I&psig=AFQjCNG9UFNgeCVo10M6SHj7Q8WtdLiGZw&ust=1467037967680930com.br

 

---

O ATRASO... (II)

por Tânia Du Bois

 

 

“... O tempo? inclemente / pesando / na mente...” (Antônio C. Osório)

           

            Escolher ser feliz nas pequenas coisas, no dia a dia, todos os dias, é encontrar a forma de não se atrasar, porque a vida é processo contínuo de trocas. Isso significa muitas coisas; se pudermos valorizar a importância em cultivar os interesses pessoais, em estar disponível, então o combinado é o acertado, sem atraso. Mas, às vezes, os desafios se avolumam à nossa frente que, por muitas vezes, nos atrasamos para os compromissos.

            O atraso é falta e só depende da vontade que podemos encontrar em nós para que não aconteça, pois, como diz Paulo Leminski, “em cima / da hora / tudo piora”.

            Se não cumprimos com os compromissos, nas horas marcadas, ficamos com a falsa impressão de melhorar o nosso tempo, como em Luiz Otávio Oliani, “O tempo não se rende / a nada que o prenda // embora não corra / abocanha os homens / silenciosamente”.

            Que tal revermos em que prevalece o atraso, que se mantém em nossas vidas no dia a dia? Isso significa muitos atrasos, como o dos pais que chegam tarde para o jantar e, mesmo assim, as crianças ficam felizes ao vê-lo em casa.

            As noivas organizam seus casamentos de acordo com seus estilos e gostos, marcam a hora mais apropriada para a realização e, quando chega o momento sagrado... se atrasam.

            Médicos, profissionais que valorizam seu trabalho, telefonam aos pacientes confirmando dia e hora da consulta; de nada adianta, quando chegamos ao consultório, o atraso é confirmado.

            Vamos viajar! Compramos a passagem dia tal/tal hora; com entusiasmo fazemos o chek-in em casa. Ao chegarmos ao aeroporto, o desânimo sobressai porque o voo está atrasado.

            A hora marcada no salão de beleza, mas, a cliente anterior se atrasou, o que atrasará os atendimentos nos demais horários. A beleza está em lermos para passar o tempo, prazerosamente, sem nos incomodar com a espera adicional. Encontro revista com chamadas para o espetáculo, com informações sobre ingressos, dia e hora; para variar, não honram o horário previsto para começar o show.

            O atacante, no futebol, após a armação da jogada pelos companheiros, chega atrasado para a conclusão do lance e perde o gol. Os torcedores choram.

            No amor, quando resolvemos nos declarar, muitas vezes, é tarde demais. A indecisão foi o obstáculo. Não assumirmos as fraquezas abertamente e corremos o risco da perda pelo atraso. Nas palavras de Luiz Otávio Oliani, “as horas voam / e me perco / entre os ponteiros do relógio...”

            Erasmo Carlos, na música Coqueiro Verde, revela o atraso de Narinha, “Em frente coqueiro verde / Esperei uma eternidade / Já fumei um cigarro e meio / E Narinha não veio // Como diz / Leila Diniz / O homem tem que ser durão / Se ela não chegar agora / Não precisa chegar...”

            Assim, a vida moderna é sinônimo de atraso. Agendas cheias, precisamos criar estratégias para minimizar o nosso tempo ao assumirmos horários e compromissos.

            Um dia, escolheremos ser felizes enquanto abraçamos os filhos, visitamos os parentes e amigos, amamos o parceiro. Ou talvez possamos simplesmente honrar os horários, sem atraso.