meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

NATAL: tempo dos desejos

por Tânia Du Bois

 

“O nosso menino / Nasceu em Belém. / Nasceu tão somente / Para querer bem...”        (Manuel Bandeira)

 

               Um piscar de olhos e estamos no Natal: dezembro, mês da reflexão e dos desejos. É o momento para recriar e inovar caminhos, para aumentar o nosso bem estar com a satisfação por fazer parte da vida.

               O Natal tem a cor da alegria; encanto da magia que se mistura com nossos desejos. Seu espírito tem o dom de espalhar o amor. Como no livro infantil “A Véspera de Natal” – uma história para tocar e sentir, de Clement C. Moore e Debora Jones.

               Todos os anos se repete o brilho do Natal em nossos corações: sentimos a felicidade no suspiro da emoção. Pensamos em dias melhores, em que as horas passam sem percebermos o tempo, onde vidas se cruzam enquanto nos confraternizamos no Natal. É legal customizar os nossos desejos: amando, entendemos o gesto puro, quando doamos o tempo, sorrimos e oferecemos um abraço. Para Armindo Trevisan, “... o Natal deve ser uma festa alegre... O que torna feliz o homem é a fé, a esperança e o amor... Compreendamos, sem retórica, que o Natal é a festa da intimidade... que nos liga à nossa infância, e que nos conduz da vida que hoje vivemos, a ela, verifico que esse maravilhoso fio nos conduz sempre a uma “outra vida”, a uma outra infância: a que desejaríamos ter vivido”.

          Lembro-me dos natais em que reuníamos amigos e familiares. A árvore era grande, colorida e decorada. O Papai Noel chegava carregado de presentes. A ceia servida a todos e assim sentíamos a leveza no desejo pela comemoração: união e carinho.

             Sabemos que sempre haverá uma lágrima para sentirmos ser o tempo passado lembrado com a mensagem do Natal, onde o sonho e a poesia descrevem o tempo da magia na luz brilhante da estrela guia. No reflexo da lembrança que o desejo nos embala no Natal e renascemos na canção do vento. Armindo Trevisan disse que “Como poeta, também me arrisquei a escrever poemas de Natal. Como não escrevê-los uma vez que o poeta também foi criança?...”.  Charles Baudelaire completa ser “A poesia é a infância reencontrada”.

               O símbolo mais natalino reside no desejo de cada um; é referência, fantasia e magia de infância. São bons momentos, aliados à transmissão de valores sentimentais e fundamentais, que alimentam a nossa alma e dão à imaginação plenos poderes para que enfrentemos os desafios da realidade. Revivemos a magia da infância ao confirmar a solidez dos traços que nos unem no Natal, como em Ruben Braga no livro Nós e o Natal.

             Ao dizermos em palavras simples que o Papai Noel representa a bondade e a solidariedade, estamos nos encorajando a reviver o encanto do Natal e, misteriosamente, surpreendemo-nos na descoberta da verdade: Papai Noel não existe e, mesmo assim, alimentamos a imaginação das crianças ao ajudá-las a lidar com a realidade, porque experimentam a sensação de enfrentar novas situações e mistérios do que ainda não compreendem; atitude que lhes permite olharem para o lado da fantasia, no trabalhar, antes das significações e dos conceitos, o desejo de existir.

            O Natal é reviver a magia da infância; a ilusão que ilumina e clareia nossas vidas, como demonstra Cris Dakinis, “Um feliz Natal / pro povo do bem / pra quem é alguém / que se for igual / ao Próximo que vem, //... sonhos ideais... / São anos iguais? //... Pro ano que vem, / sonhe com vontade / um Natal de verdade / e Amigos Iguais. / Precisa de mais?...”