meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

NADA? ESSE É O SEGREDO

por Tânia Du Bois

 

              “São tantas as palavras amassadas em amarguras /   

que até na Lua / se ouve o pranto desse mundo”

(Carmen Presotto)

 

          Você não sabe dizer não. Está disponível para tudo. Na sua vida, tudo é nada. Entendo que a acusação é forte; ela revela exatamente o que você é: tem problemas em persuadir o homem ou se tornar irredutível à decisão de reagir com violência. Nas palavras de Lígia A. Leivas, ”... Essa tristeza recolho-a e a afago: / Só ela prova insofismável / de que neste real mundo demente / Somos todos simplesmente nada”.

          Por que você não esquece o mal entendido e tira essa expressão sombria do rosto, que num impulso transforma em defesa? Impressiono-me com as pessoas que recuam quando se sentem ameaçadas e, em movimento automático, começam a sentir o coração borbulhar, tal as luzes de alerta piscando como força sobre-humana. Ainda, em Ivaldino Tasca, “... Muitas vezes diferença não há, a lenda é apenas a versão do fato  que ganhou cor na imaginação...”

          Vejo o caminho da agressividade como cópia da forma humana, onde a natureza clama por mais ação. Uma lástima não poder dizer que são apenas contratempos que os deixam exausto e, ao mesmo tempo, os revelam desiludido, quando a mentira cobre o seu pensamento dificultando a vida.  Rubens Jardim expressa, “...  Sou hostil ao tempo: / não uso relógio / e não suporto o mundo”. Carmen Presotto retrata, “... Ninguém é perfeito, e melhor é imaginar demências em outros. Enquanto borbulhamos cegas verdades, somos normais. Não fugimos e encaramos a realidade sem dramas...”

          Sua ideia ocorre em desordem ao pensamento; muitas vezes, chega ao ponto de desvelar gestos mal encarados; com os olhos fixos e a voz áspera embriagando-se com o destino, assim, em Gregório Mattos, “... O meu ódio é mais valente, / pois sou só, e eles são tantos”.

          Apesar de você não ter amigos, ainda assim, pensa em algo sombrio, que beira a maldade e a infelicidade, quando a bebida não permite que você partilhe os segredos. Então traz munição para olhar ao seu redor e se converter em espírito maligno, onde o pensamento se parte, rasga, quebra com o choque, quando puxa o gatilho das lembranças. Glauber Rocha demonstra, “Não anuncio cantos de paz / nem me interessam as flores do estilo. / Como por dia mil notícias amargas / que definem o mundo em que vivo. //... A minha loucura é a minha consciência / e a minha consciência está aqui. / No momento da verdade, / na hora da decisão, na luta... // Não se muda a história com lágrimas..."