meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

.

I&psig=AFQjCNG9UFNgeCVo10M6SHj7Q8WtdLiGZw&ust=1467037967680930com.br

 

---

VOCÊ e EU

por Tânia Du Bois

 

“... se você for retirada / do interior desta ostra / Que sou eu / Que seria eu? / Meu mundo quebrado / Não mais haverá / Razão para que eu viva / Pois a partir do dia em que conheci você / Meu mundo passou a ser seu...” (Amir Carlos)

 

               Entre você e eu se levanta um muro de saudades, e somente nós podemos nos dar ao “luxo” da renúncia quando nada dizemos. Dessa vez, a voz metálica diz adeus. Segundo Ricardo Valverde, “Você e eu //...você me apareceu / ...um sentimento nasceu / ...de repente você desapareceu / os meus telefonemas não atendeu / as minhas cartas não leu / e nem mais escreveu / porém aqui estou eu / de coração aberto esperando para continuarmos / aquilo que começamos / você e eu...”

               Sua falta me alucina na bendita solidão que me funde na saudade. Folhas ao vento o chamam e eu me refugio nas lembranças e abraço a sua ausência. Pedro Du Bois revela, “ver o momento de dor / no olhar de quem perdeu / a hora de amar e passará a vida / procurando em cada gesto, / palavra e movimento...”

               À noite, meu pensamento se cruza com pesadelos, que se aprofundam nas  lembranças, como se fossem a alegria saudosa em perfeita desordem, igual a um livro de vento sem palavras e folhas sem asas, apenas o sentimento da sua ausência, como em Patrícia Hoffmann, “...vulto complexo, / no espelho da alma / o teu reflexo, / sempre ausente...”

               Nos sonhos, venço o muro das lamentações e encontro dentro de mim a sua memória e assim não me envergonho do sentimento que nutro por você. Essa memória cobre a noite em desamor e eu invento razões para não esquecê-lo, porque vejo seu rosto em perdões e guardo segredo.

                Seus braços permanecem fechados, fico angustiada e invento sua volta ao meu desvalido coração que sopra a saudade em eco, por onde me perco em sonhos na hora em que decifro o seu olhar; nas palavras de Lima Coelho, “...Extremas saudades! tristezas que não se acalma, / Resumo doce e amargo de um sofrimento, / que me faz meditar, a todo momento.”

               Penso em nossos momentos e sinto seus beijos em meus lábios e o meu rosto marcado diz o quanto mais gostaria de lhe amar; então, insisto em ouvir a voz do coração: não seremos um do outro. Perco-me em palavras no eco escuro e as noites se tornam de insônias. Busco desvendar o segredo através do vento que me traz a triste verdade e decifra as lembranças do que foi o nosso amor; misteriosamente, renunciamos um ao outro: você e eu? O poeta Carlos Pessoa Rosa retrata, “... uma sensação de ausência presente, de algo ter carregado de nossas mãos, para se despedaçar no chão.”