meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

&psig

---

CONVITE à REFLEXÃO

por Tânia Du Bois

 

         

          Gosto de ler poesia e, a de Márcio Almeida, “As Presenças Impuras”, é convite à reflexão. O poeta pergunta no poema, “Por que fica uma palavra / perdida, sem função, a mais, / a apodrecer a lavra / do poema com um mas?...” Ele escreve sobre os “excessos” de palavras nos poemas; com sabedoria, poetiza um assunto difícil e complicado: a representação da arte através da palavra. O argumento de Márcio, ao ser exposto através da poesia, facilita a compreensão do leitor. Também, Jorge Tufic disse que “quanto menos adorno, mais poesia”.

          Observo que sua escrita reflete a preocupação em relação aos “enfeites” nos poemas. É como se, ao me olhar no espelho, não me visse como sou; face a face com o espelho, a imagem pode ficar aumentada e deformada. Tal como no engano ótico, acontece na construção da poesia, na expressão de apenas a visão pessoal, que não faz arte e, ao contrário, salienta os “enfeites” como excessos; velhos hábitos de escrita desmerecer a poesia. A criatividade do escritor, muitas vezes, esbarra nas convenções da escrita ou de meios não utilizados para fazer literatura. Márcio Almeida convida à reflexão quando expressa, “... Que pensar permite o ruim / na surpresa da emoção? / Por que, se rígido, o sim / condena à exceção? // É desse consentir o erro / que a poesia faz sua função: / ser o sujeito da falta, / semente do nada, paixão?...”  

          A poesia bem escrita se torna bem-sucedida obra de arte, porque gerada a partir dos ideais do autor. O poeta não só escreve o que vê, mas o que lhe é permitido ver.  O poder estrutural possibilita a percepção, que o leva às inovações. Palavras se tornam modelos de renovação, como em Márcio Almeida, “... Mas o que fundar num tempo / alvo de pleno desígnio, / o universo a vão do vento, / a filosofia do signo?...” Contudo, a motivação provém do tema que se apresenta na realidade literária e cultural do autor. A diferença está nas transformações que a palavra sofre, quando mudanças são provocadas para serem convincentes, do ponto de vista da arte. Como demonstra Almeida, “... A contradição, a profecia / belomaldita da vida, / paródia, secular via / já do que antes era dúvida?...”

          Ao desenhar palavras é preciso se conter diante dos “excessos” para que a perspectiva em poetizar com imagens seja a representação da criatividade do autor e demonstração da literatura em relação à visão que ele tem da vida; não como desfile do que é ou quer, mas um convite para que o leitor reflita, como retrata Márcio Almeida, “... Se não existisse, a poesia / faria alguma diferença, / ao fundar signos de pia / com seus ócios e ciência? ... //... A poesia serviu ou servil / à semelhança do criado / serviço de linguagem – fio / fundo a destino do dado?”