meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

foto:https://www.iquilibrio.com/blog/bem-estar/significado-do-beijo/

O BEIJO

por Tânia Du Bois

 

 

 

          Assim como Cinderela não sabia que era princesa, nós não sabemos quem será o nosso príncipe. O beijo da princesa, que transforma sapo em príncipe, pode terminar em grande confusão sem explicação, porque o beijo tem tudo a ver com a dor e a alegria; ele mexe com os sentidos.  Chacal pergunta, “Qual o sentido da palavra beijo?”

          O beijo nos inspira. Escritores nos remetem ao surrealismo ao nos encantar com suas nuances, como demonstra o poeta Jairo P. Martins, no livro Beijo de Luz, dividido em cinco partes: Beijo a Humanidade; Beijos à Natureza; Beijo aos Amigos Literatos; Beijo aos Artistas e Beijo de Luz. Já para Tchello d’Barros, “O Beijo do título pode ser lido como metáfora, a tradução de um afeto atávico dedicado a humanidade... e aos seus iguais”.

          Não existem parâmetros no beijar; há significado em cada beijo dado e recebido, que nos permite conhecer nossas emoções, pelo gosto pessoal. O beijo simboliza o quanto gostamos das pessoas, sejam quais forem as razões, pois, nos remete à importância de estarmos conscientes diante dos tantos sentidos na palavra beijo: beijo automático, beijo de mãe, beijo de irmão, beijo de cumprimento, beijo de traição, beijo de despedida, beijo de amor e beijo de amigo.

          A diferença está no estilo de vida; beijamos para cumprimentar os amigos e, às vezes, até estranhos, quando a eles somos apresentados. Esse beijo se torna cúmplice de uma nova amizade e, até mesmo, nas conversas virtuais. Vai além, ao demonstrá-lo motor de equilíbrio e flexibilidade em vínculo forte e saudável entre amigos.

          Voltando do mundo da conquista, é hora de dar um beijo sem intenção, apenas como gesto de carinho, atenção e alegria nos encontros do dia a dia. É o caso do livro infanto-juvenil, “O Beijo da Palavrinha”, de Mia Couto, que reconta os contos africanos e tem, no título, a superação das diferenças. Também, o de Tatiana Belinky, “Beijo, não!”, querevela uma história divertida.

          Se existe sentimento por outra pessoa, o poder do beijo reside no incentivo emocional. Não nos detemos frente ao amor, prosseguimos até a conquista, pois, além do amor, há os desafios pelos momentos únicos, que são especiais e retratam os gestos. Com o beijo de paixão, assumimos o relacionamento na ideia de sermos felizes, porque existe amor entre um beijo e outro; motivo pelo qual escolhemos a quem beijar. O beijo é troca, vida, desejo e entrega. No poema de Pedro Du Bois, “Das certezas / falamos / no amanhecer / e no final do dia // do amor / no beijo de boa noite...”.

          Há outro ponto a ser considerado no ato de beijar, que pode ser recebido como antídoto contra a solidão; acreditamos que cultivar o carinho é ir ao encontro da felicidade. Juan Gelman pergunta, “... Que infinitude de beijos contra a solidão / afunda teus passos no pó?...”.

          As situações que nos levam a beijar é que fazem diferença na vida, por ensejarem nos despirmos dos preconceitos e jogarmos fora o medo, para sermos felizes.