meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

l

foto: carlos pessoa rosa

ESTANTE

 

por Tânia Du Bois

          

 

          Há uma estante para cada função; no caso, para expor livros. Segundo Mallarmé “O nada que é o mundo se transforma em um livro”. Luiz Coronel revela, “... olha meus livros / na estante e indaga / o quanto os prezo...”

            O livro na estante: fico alarmada quando percebo que a pessoa não retira o livro da estante, não tem curiosidade para ler as primeiras linhas, nem a orelha do livro ou sua sinopse. Então, olho com transparência e sensibilidade ao desejar que a situação mude e a pessoa “aprenda” a conciliar o livro com a sua realidade. Nas palavras de Octavio Paz, “A leitura é uma interpretação, uma variação e nessa variação o texto se realiza, repete – e absorve a variação...”

            Procuro entender o não pegar o livro na estante; o não ter tempo para ler e, ainda ouvir: “Ler? Agora não, estou de férias!”. Será que não entendem como os livros nos fazem viajar no tempo e, ao mesmo tempo, mostram como a realidade pode ser bem mais interessante?

            Quando questiono, estou pensando que, pelo menos, a pessoa poderia olhar para a estante e verificar o que lhe atrai; assim, ter a oportunidade de refletir sobre o viver e, a partir daí, fazer a si perguntas que só ela poderá responder. As respostas são o novo olhar sobre o que descobrir. É o efeito mais próximo da satisfação pessoal e da diferença entre ler e não ler. Luiz Coronel alerta, “As faíscas do olhar / acendera o brasileiro. / Palavras incandescentes / despem a imaginação...”

            Quem fracassa na arte de ler é obrigado a repensar o acúmulo de atividades diárias. Passa a vida aprendendo várias coisas para a sua sobrevivência pessoal e profissional. Sei como se sentiria bem se descobrisse como o prazer da leitura o permitiria vencer a solidão. Pensamentos e emoções a afetam e, para se conscientizar em qual situação se encontra, precisa da leitura para aprender e evoluir. Enriquecer a vida, com que as possibilidades de aprender aumentam; quanto mais sabe, mais quer saber para solucionar suas opções diárias, com atitudes que melhor norteiam o cotidiano, afastando a vida estressante e fazendo como Newton ensinou, “toda ação implica uma reação”, um (re)posicionamento na vida. Como em Gilberto Cunha nos ensaios, Qual é o Tamanho da Biblioteca de Babel? e A Nova Biblioteca de Babel, em que ele demonstra, na concepção de Borges, que o universo estaria contido em única biblioteca.

            Agora, imagine como seria viver num mundo em que todos lessem? Ou tivessem o prazer de aprender o valor devido das ações? Hoje, encontro como ação estantes de livros doadas pelos autores, nas ruas, praças e outros espaços públicos – aberto a todos – em várias cidades. A pessoa escolhe o livro na estante e o leva para casa (sem precisar pagar). Depois de lido, devolve-o à estante, ou o repassa a um novo leitor. Ritmos modernos que oportunizam a leitura ou, pelo menos, para olhar a estante e buscar a experimentação de novas formas de vida; de espalhar o saber, que aprender é viver aliado nas cores intensas da vida. Jaime Vaz Brasil declara, “Luiz Coronel tem obra. E que obra. Não chega de mãos vazias à melhor das estantes do mundo. É um inigualável mágico das imagens, um artesão criterioso das metáforas. O bom gosto é sua marca registrada”.