meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

foto: carlos pessoa rosa - centro cultural vergueiro

O

TOM da

IMPRESSÃO

 

            É hora de refletir sobre os tons das impressões que temos e que podem melhorar o nosso viver. É difícil falar sobre impressões, pois elas são tantas, umas positivas e outras não. Criamos meios para com elas concretizarmos nossas aspirações e traçar os projetos de vida. É importante saber respeitar o tom que cada impressão causa em nós. Nas palavras de Ivaldino Tasca, “Sentimentos, vivências, experiências, relações não são facilmente compreendidos, assimilados e verbalizados quando mergulhados na infinitude de tons com que batem, desdobram-se e rebatem os nem sempre ponderáveis componentes da essência do ser”

            A impressão que fica das leituras é que me inspira no amparar as mudanças; recarregar as energias e repensar como lidar com o sonho que se tornará realidade. Por exemplo, o poema de Tanussi Cardoso, “Plástico, Matéria Plástica”, causa a impressão de comoção, com a voz tímida (imersa em silêncio) e ao mesmo tempo tocante, serena e profunda: “na página do livro / a letra da minha irmã/ viveu mais do que ela // - traços mais que um corpo // vive a letra a escrita e a palavra / - onde a alma a pele o rosto?// Mais viva que a morte / osso nu / desconstrução do gosto / a memória da morta / insiste / existe / na letra na palavra / na poesia do livro”.

            Tanussi busca, no mistério da saudade e da morte, o reencontro com a irmã através da palavra. Aprofunda-se na melhor poesia, ao traduzir o sentimento como fogo em chama. Mostra o essencial como força da imagem transposta no tempo como contraste entre a percepção e a expressão, causando a impressão que beira ao real.

         Ele, ao descrever a hora ante a saudade absorta com a ausência, revela o sonho em cada palavra e a impressão perpetua no espaço como eco a expandir a linguagem, como é o poema, retrato das suas sensações.

            Ao ler estou ligada aos sentidos, que o poema afeito ao argumento é irrefutável impressão como influência; afinidade com vínculos sentimentais, um pouco mais ou menos e, por vezes, na medida certa. Há o meu olhar que precede a reflexão no foco do poema em que embarco na sensação de novas possibilidades de leitura: a força da poesia de Tanussi, como experiência e perspectiva, que se revela em arte, onde a impressão se apossa e se transforma no tom desejado.

          Segundo as impressões de Thomaz Albornoz Neves, “Recorda e terás esquecido / nada ocorre por acaso / não há destino escrito” e, José Eduardo Degrazia, “O poema entrou em mim // como se / derrubasse a porta / de uma casa //... e caísse sobre o peito / de um homem”.