meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

O TEMPO E O CONTADOR DE HISTÓRIAS

por Tânia Du Bois

 

 

         O tempo confunde o contador de histórias ou o contador de histórias se confunde com o tempo? Noto que as histórias quando recontadas mudam de época e de rumo. Fica confuso o que ele está tentando contar. O ouvinte diferencia uma da outra, mas, o contador de histórias mistura os fatos com a ficção e vice-versa. Encontro em Agostinho Both o conto, O Tempo é Consequente, que cita, “... Carrego a ternura densa em mim. Que cada um tenha pra seus cuidados e para os seus o tempo necessário...”

               O contador de histórias que fica a mercê da memória é compreendido; mas o que fica a mercê da lembrança, se repete como se fosse em outro tempo. Não percebe a exatidão dos acontecimentos e, se distancia em seus pensamentos. Para Getúlio Zauza, “O tempo é um raio / e se escoa num momento...”

               O contador de histórias diz do que lembra e, por vezes, lembra só o que quer ou o que gostaria que tivesse acontecido; pois, o tempo quando no passado lhe prega peças ao misturar as “estações”, o que o leva a transmitir em primeiro lugar as emoções e depois as reflexões sobre a história. Na verdade, por instantes, seu pensamento deveria se encontrar ou se situar no tempo, como Clarice Lispector retrata, “Eu te invento, ó realidade”.

               Há momentos em que o contador se depara com a “cruel verdade”, ao provar da própria vida e do quanto de espaço ocupa no viver, como demonstra Pedro Du Bois, “Na verdade nos preocupamos com o tempo: / e o nosso / tempo permanece / intocado na / infinitude do espaço, onde os / escolhidos / se lançam / em eternidades”.

               É isso mesmo, o contador pensa que conduz o tempo com as histórias e se recorda da vida com a certeza que lhe é permitida, para conviver ou sobreviver com as diversas exceções que se refletem no pensamento, como diz Cândido F. Ferreira, “As mentes marcadas pela surpresa / De vidas desamarradas”.