meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

foto: carlos pessoa rosa - arte: Lúcia Rosa

O Lado de LÁ...

por Tânia Du Bois

 

“... Somos o infinito / de vez em quando revelado / nesses rasgos /

 da alma / nessas agonias / quando o espírito espreita / do lado de lá / e já / não lhe basta mais o dia / a monotonia / do seu estado atual. // 

Quer navegar!”.

                                                                                                 (Júlio Perez)

 

            Na cidade o mar está do lado de lá. No rio a ponte está do lado de lá. No caminho há desenhos geométricos que me levam para o lado de lá. Na floresta o espaço infinito do mundo é do lado de lá das coisas. Carlos Job diz, “... Esta terra encantada, também sofreu seu revés. Os sábios, ainda hoje, discutem de quem é a culpa. Se dos moradores do além da floresta ou dos do lado de cá...” Na escultura o lado do sonho é o lado de lá. No quarto, pelo buraco na parede, entra o sol do lado de lá e mostra o seu reflexo. Na imagem do homem o mundo está do lado de lá. No céu azul aparece a garça branca do lado de lá e, no lado de cá, Uma Garça no Asfalto, de Clauder Arcanjo. A grade não prende, porque há espaço do lado de lá. Meu pensamento passa do lado de lá como se fosse objeto do mundo, que empilha vazios como empilha nuvens do lado de cá.

            Será que existe diferença no lado de lá entre ver e olhar?

            O lado de lá fica marcado por que desemboca num só lugar – na imaginação. E, quando somos as descobertas, chegam iniciativas em diversos ângulos do fim da ilusão e da libertação; o reconhecimento das prioridades e os dilemas na administração do tempo. Vejo o lado controverso que envolve culpas e vitórias. Também, articulo interesses contraditórios: o lado de lá e o lado de cá como fronteiras entre o setor pessoal e profissional. Adiciono isso ao fato de que a vida é dinâmica e me considero apta para desejos e limites. Mas, só com o (auto)conhecimento é que compreendo o lado de lá... Como demonstra Helena Rotta de Camargo, “Canto e gemido; sorriso e lágrima; dinamismo e apatia; aconchego e solidão: eis a cara da realidade”.

            O palco da vida apresenta dois lados: o da desigualdade e o lado de lá, o das mulheres e o lado de lá, o futebol e o lado de lá. Eu assisto sempre do lado de lá... Como se seguisse o caminho natural para descobrir que é possível determinar a minha necessidade e a paz para melhor viver. O fato é que na vida encontro o outro lado. É como inspirar e expirar nas reações do corpo.

           O lado de lá existe, mas, exige concentração para a vista alcançar o outro lado e investir nos sonhos. Ainda em Helena Rotta de Camargo, “Da outra margem do tempo, a velhice observa a correnteza, que vai levando, de roldão, as últimas gotas da juventude que se exauriu”.