meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

SENHOR DAS ÁGUAS: Yamandu Costa

por Tânia Du Bois

 

                        “Cordas entre dedos

                        águas

                        coordenados

 

                                   cordas entre sentimentos

                                   rápidos

                                   extremados

 

                        cordas entre mãos

                        leves

                        diáfanas

 

                                   Yamandu entre cordas

                                   sentimentos

                                   dedos

                                   mãos”. (Pedro Du Bois)

 

            Yamandu significa, em Tupi-Guarani, senhor das águas.  Considerado o gênio das 7 cordas; o virtuoso do violão; o fenômeno dos pampas. Estou falando de Yamandu Costa, jovem gaúcho, de Passo Fundo, que entrou para o rol dos "monstros" da música instrumental brasileira.

            É também chamado de o novo Raphael Rabello, mas com raízes diferentes. Raphael se criou a partir do choro. Yamandu com a música regional do sul. A semelhança entre eles está na maneira de tocar.

            Yamandu é uma das maiores revelações da música brasileira, emocionando platéias com seu violão de 7 cordas. Fez seu aprendizado e teve a sua inspiração junto ao violonista argentino Lúcio Yanel.

            Pedro Du Bois, com admiração, o homenageia em mais um poema:

 

                                   "O golpe seco

                                   leva a corda

                                    ao silêncio

 

                                   dedos dedilham

                                              deslizam

 

                                   encontram cordas

                                   exatas

                                   cravelhas ajustadas

                                   golpeia

                                   leve com a mão

 

                                   brinca

                                   onde outros se esforçam

 

                                   sorri em agradecimento."