meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

ENCONTRO DAS ARTES

 

 

por Tânia Du Bois

 

            Precisamos compreender os fundamentos e os significados da nossa identidade, e o contato com a arte favorece nossos processos de reordenamento espiritual – nossa consciência a respeito do que somos e do que queremos.

            As artes nos dão a verdade possível, transfigurada em cor, volume, idéias e consciência; tem múltiplos significados.

    Poesias Completas, segunda edição/1979, é um livro de poemas de Joaquim Cardozo; grande título pela raridade e pela importância dos poemas sobre obras de arte, que refletem emoções, sensações e imagens.

   No capítulo Luz na Galeria encontra-se o poema Maria Bonomi, Maria Gravura, em homenagem a grande e talentosa artista plástica, gravurista que usa sua força criativa para transformar blocos e perfis geométricos em imagens transcendentais.

   O poema, que exibo agora, fala de Bonomi através dos olhos de Cardozo, marcando o encontro com as artes – o discurso e a gravura -, linhas reproduzindo e unindo as criações artísticas.

 

Maria Bonomi, Maria Gravura;

Os traços, pouco a pouco deixam

              de caminhar.

As cores não passam mais

              pelos olhos,

Pelos ouvidos, inundam.

A noite desceu sobre a gravura -

Sombra de prensa a comprimi -

Maria Bonomi, Maria Gravura

Ouve-se agora um canto

             Do papel em liberdade.

 

Maria Bonomi

O corte sorri.   A mão fica em silêncio.

              O contraste murmura

              Maria Gravura.”

 

            Nesse encontro, abro ao fluxo o poder iluminante que detém e transmite um registro histórico e estético, que pode tocar tanto o coração, quanto os recursos da narrativa, e a significação dos gêneros artísticos, nos proporcionando a reflexão.