meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

O BURACO

por Tânia Du Bois

 

 

“Escrevo duro / escrevo escuro / Neste muro / o que procuro, o furo.” (Max Martins)

 

Através da palavra é possível redescobrir na expressão o nome como reconhecimento de que o buraco existe e significa, segundo o dicionário, abertura, intervalo, orifício artificial ou natural, orgânico, geológico, planetário, cósmico estelar, concreto e mesmo abstrato. Lêdo Ivo questiona, “Que pretende Deus / com tantas estrelas / e buracos negros / no espaço infinito?”

 

É imprevisível o destino que encontro na palavra buraco. Cada mudança indica ter como objetivo situar a palavra na realidade, no comportamento e, ainda, alcançar a concisão. Contudo, ele é considerado símbolo em várias áreas e assuntos, como: buraco (jogo de cartas); buraco da fechadura; buraco negro; Buraco na Sombra (refúgio para sobrevoar o esquecimento); O Buraco de Máluca (interrupção das camadas da retina na área central da visão). Também, existe o mito de que sonhar com buraco no solo representaria aspectos escondidos da vida, e sonhar que caiu no buraco simbolizaria problema em sua vida.

 

A palavra buraco apresenta inúmeros sentidos através das várias linguagens. Saliento a literária, como o best seller de Ken Follett, O Buraco da Agulha, de 1978, em que o autor conta uma fração da história da Segunda Guerra Mundial, seguindo temática entre a ficção política e a trama de espionagem, ou O Buraco do Espelho, de Arnaldo Antunes, “O buraco do espelho está fechado / agora eu tenho que ficar aqui / com um olho aberto, outro acordado / no lado de lá onde eu caí...” Há também o livro de contos de Rubem Fonseca, O Buraco na Parede, “ao remover o quadro descobri um pequeno buraco na parede. Olhando pelo braço vi a banheira com chuveiro e uma parte do vaso sanitário... Você não fala nada a ninguém sobre o buraco na parede?...” Na literatura infanto-juvenil, Sérgio Caparelli oferece O Buraco do Tatu, “O tatu cava um buraco / a procura de uma lebre / quando sai para se coçar, / já está em Porto Alegre...”, e Tony Bellotto, com humor, traz o romance detetivesco No Buraco.

Escritores revelam em imagens os mistérios do buraco, como em Benedito C. Silva, Buraco Negro // De tão perdido / Fui consumido / sem nenhum sentido.” Considero ser estilo, na arte literária, quando alargam seus domínios semânticos por meio de criações e o alimentam em formas sinuosas e gestos, no intuito de exigir a nossa participação na contemplação, na leitura e na crítica que, aos poucos, acompanham a transformação dos significados das palavras. Na eterna competição entre seus significantes e na transfiguração de sua tradução, com a finalidade de atingir o leitor.

As artes se fundem e aumentam o ilusionismo das inspirações em palavras em imagens que refletem as diferentes interpretações e desdobramentos do buraco.