meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

-----------------------------------------------------------------------------------------------

“CADERNOS DA NOITE”

por Tânia Du Bois

 

          Segundo Lauro Junkes, Alcides Buss apresenta-se como um exímio da palavra rica em conteúdo de sua sonoridade, de seu ritmo e articulação. Nele, há a preocupação com a palavra natural e espontânea, exata e adequada.

          Buss trouxe sensível contribuição à poesia catarinense, é autor do livro Cadernos da Noite, onde apresenta poemas sóbrios, porém modernos. Extrai a tônica da sua poesia, cuja obra é avaliada como a sua melhor produção, a ponto de se transformar em obra de arte.

          Cadernos da Noite situa o poeta e caracteriza a sua produção literária, conquistando o leitor.

          Segundo Miguel Sanches Neto, “... nos poemas de Cadernos da Noite, encontramos a melhor produção poética de Alcides. É o poeta dos solidários estados da alma, marcados pela consciência das incertezas temporais”, como podemos observar no poema,

 

            “O dia vem, o dia vai / e só vivemos um dia / a vida toda. /

            Um dia ou quantos dias, / semanas meses ou anos? /

            Oh, nada sabemos / a não ser que um dia / é quanto temos para viver”.

 

          Buss literariamente coloca dentro da moldura, de modo muito particular, o não-ser e isso aumenta sua percepção e salienta sua característica, levando o escritor a um período de linhas definidas, como:

 

            “Por mais que nos livramos / Mais estamos em nós /

            Sem nós mesmos”.

 

          Grande poeta, versos profundos. Realmente, sensível às formas de beleza, o verso nas mãos de Buss ganham corpo e ritmo. E na criação mais significativa de sua inspiração, Cadernos da Noite, se conservará sempre, ou seja, o gosto pela forma apurada – e os versos não-ser, constituem a ponte de ligação entre dois mundos -, ele os delimita e os liga ao mesmo tempo, da sombra se encaminha para a luz.

          Mansueto Bernardi escreveu que “Tudo... há de em sombra reverter. Em tudo, a sombra está, como um agouro. Tudo na vida é sombra a se mover”.