meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

“CANÇÕES”

por Tânia Du Bois

 

Lembro o grande nome na poesia infantil, marcante para as letras riograndenses e brasileiras, Mário Quintana, com seu livro Canções, de 1986, em edição comemorativa ao 80º aniversário de nascimento do autor, com ilustração de Noêmia Mourão. Segundo a Editora Globo, essa edição é fac-símile do volume Canções, publicado em 1946, onde preservadas as características originais.

O livro possui 35 poemas e seus versos são simples e livres: na valorização do cotidiano e do olhar infantil, em que a infância continua sendo o eixo. Segundo Guilhermino César, “Canções livro no qual o som é o elemento dominante do sistema encantatório.”

 

CANÇÃO DE DOMINGO “Quem dança que não se dança?/ Que trança não se destrança? / O grito que voou mais alto / Foi um grito de criança. //... O céu estava na rua? / A rua estava no céu? / Mas o olhar mais azul / Foi ela quem me deu!” Essa canção, mais tarde foi musicada e gravada por Edu Lobo, ainda no tempo dos discos compactos de 45rpm.

Érico Veríssimo disse que Mário Quintana era um poeta que sabia ver o mundo como vêem os anjos, as fadas e que na verdade ele era um anjo disfarçado de homem.

O livro Canções é um conjunto de manifestações líricas, fluindo a emoção do instante, obtendo resultados artísticos ao por beleza e sublimidade nas coisas simples, como a CANÇÕES DO CHARCOUma estrelinha desnuda / Está brincando no charco. // Coaxa o sapo. E como coaxa! / Estrelinha dança em roda.” //... Uma estrelinha desnuda / dança e pula sobre o charco...”

Nas palavras de Miguel Sanches Neto, Quintana cola a sua poesia a pequenos fatos, buscando sempre a transcendência musical deles. É ainda o menino terno transfigurando o real pela poesia e pelo toque mágico.”

Nesse livro, o poeta sustenta como base poética a livre manifestação artística, rompendo com a construção tradicional, sem prejuízo da coerência na produção literária, como podemos ver na CANÇÃO DE GAROA “Em cima do meu telhado / Pirulin lunin lunin, / um anjo, todo molhado, / soluça no seu flautim. //... E chove sem saber por quê... / E tudo foi sempre assim! / Parece que vou sofrer: Pirulin lunin lunin...”

Maria Dinorah escreveu que “este milagre é a literatura infantil no Rio Grande do Sul. Para assessorar a literatura dos pequenos, quem se animava a publicar livros infantis no torrão gaúcho? O grande Mário Quintana.”

A Poesia Quintanares é crença imorredoura onde encontramos a poesia renascida e amada; ainda hoje, muito lida pelos pequenos e grandes leitores e pelos que começam a fazer literatura.