meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

TENHO UM CÃO, E AGORA?

por Tânia Du Bois

 

Segundo o cientista Atsushi Senju, “o cão tem capacidade especial de ler a comunicação humana. Responder quando apontamos e quando sinalizamos”. Escritores e poetas com liberdade espelham com a palavra em seu sentido e significado, como o reconhecimento da presença do cão.

Ter um cão é buscar o contado da sua companhia, pensar em ter um amigo fiel e o reconhecer como o melhor amigo do homem e guardião de suas vidas. O poeta Carlos Pessoa Rosa difere ao dizer que “ruas / curvas de injustiças / onde cães / caçam piolhos e pulgas / e não ladram / quando jovens roubam / a privacidade / de seus moradores”.

Adalberto da Cunha Melo, em seu livro Cão de olhos amarelos, desvela os mistérios da vida e da morte na repetição pensada das ideias, “Na cova de sombra, um cão, / na calçada de um bar gemia. / Era um cão de olhos amarelos...// sua presença de sombra / era tão densa na calçada, / que as outras sombras tropeçavam...”

No livro “Memórias de um cão”, de Virgínia Wolf, encontramos os mistérios da existência vistos através dos olhos do melhor amigo do homem.

Mas, a pergunta que paira no vazio é, tenho um cão, e agora? Essa é a situação que sugere o respirar fundo e questionar-se: cão do homem? Homem cão? Vida de cão? Pedro Du Bois, em seu livro Os cães que latem, revela as verdades inalcançáveis, onde o homem desumanizado vive com a desigualdade, o medo e a falta de ética, “... os caminhos infames, flores sem estames, a luta, o ódio, morte, fuga. - / cães malditos!” Betusko, em seu poema, mostra, ”É noite, os cães latem // todos os cães, / os amantes partem, / todos eles vão...”

Não posso deixar de questionar se a poesia e a literatura nos fazem entender, superar e restaurar das imagens e os desencantos, como escreveu Nilto Maciel: “... Morava sozinho num casarão. Em suma: muita solidão. Nem sequer um gato para miar-lhe o silêncio, um cão para ladrar-lhe a escuridão...”

Os escritores, ao descreverem a partir do cotidiano a vida do cão, retratam os escuros tempos em que ouvíamos latidos de incertezas, como manifestações a comprovar a importância do cão em nossas vidas e que, ainda hoje, trazem o silêncio como reflexão, nas palavras de Alphonsus Guimaraens Filho, “E os outros passam, e as coisas gritam, / e os corações pobres, se atritam,...// Que é que vejo? Que é que ouço?/ (Rói calado cão o teu osso.)”

-------------------------------------------