meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

CIÚMES

Por Tânia Du Bois


 

Eu amo

Tu amas

Ele CIÚMES separa” (Benedito Cesar Silva)


 

 

O amor acende a nossa luz e oferece a chance de nos sentirmos amados, então, tudo brilha; porém, nem todos os relacionamentos cumprem esse papel, como bem escreveu Benedito Cesar Silva nos versos que aqui utilizo como epígrafe.


 

Quantas vezes nos sentimos inseguros e amargurados por imaginar “coisas” com aquela sensação de rejeição, assumindo uma conduta que só existe na nossa cabeça? Os ciúmes podem levar à ruptura e dor. É preciso avaliar os valores e a ética pessoal, mesmo que o sentimento provoque sofrimento. É preciso investir numa relação descomplicada, onde possamos desatar os ciúmes e reconhecer o nosso valor, admitindo as diferenças e vivendo em relação de cumplicidade.


 

Procurar libertar-se do ciúme porque muitas vezes ele é o responsável pela tristeza, raiva e inveja, chegando até ao ressentimento. O melhor seria refletir e confiar nas nossas qualidades, para nos tornarmos mais seguros e valorizarmos os amigos, tentar conhecê-los melhor e amadurecer os relacionamentos para que não gerem dúvidas.


 

Gabriel Garcia Marquez retrata os ciúmes como desafio: “Ciúmes / Que maravilha, disse ela. Sempre disse que os ciúmes sabem mais que a verdade.”


 

Amar é amar, sentimento delicado e importante para seguir a vida com felicidade. Estar apaixonado é sentir uma grande atração, acreditar na nossa singularidade, porque depende muito de como encaramos os ciúmes. Devemos aprender a ser flexíveis nas relações porque nos cabe controlar as emoções.


 

Eu te amo, tu me amas. / Qual dos dois odeia mais? / Quando

se plantam rancores, / em vez de lírios, punhais...” (Luiz Coronel)


 

É nos momentos de crise que temos que estar prontos e com coragem para enfrentar as possíveis cenas de ciúmes. Sempre é tempo para aprender, fazer escolhas, descobrir e reconhecer os próprios desejos. O reconhecimento nos mantém conectado ao que julgamos importante, a estabilidade emocional. Não deixemos que o ciúme nos faça desistir de amar ou de nos separar do amado. Como em Thiago de Mello, “... a vida que não se guarda, / nem se esquiva,.../ vida sempre a serviço / da vida. / Para servir ao que vale / a pena e o preço do amor.”