meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

-----------------------------------------------------------------------------------------

MÚSICA DA PALAVRA: Poesia

por Tânia Du Bois

 

            Uma das grandes vantagens da arte de escrever é proporcionar ao leitor a condição de sempre viver uma nova experiência, de alçar vôo em busca da música da palavra.

 

            Gostar de poesia, ler um poema é mais do que viver uma festa declarada. É concentrar a variedade e o poder das palavras, levar o leitor a relacionar-se com o auto-conhecimento, trazer a harmonia do prazer de viver e manter o sentimento e o sentido do ritmo poético.

 

            Para Octávio Paz, a poesia “nos coloca em sintonia com os ritmos do mundo”; Jorge Luís Borges diz que “O pensamento para a poesia são as palavras, e essas palavras são o próprio dialeto da vida”. Tornam melhor as nossas vidas.

 

            Stevenson pensava que “A poesia trata de levar a linguagem, as palavras, um certo sentido, como mágica”. Os versos têm sentido, não para a razão, mas para a imaginação.

 

            Borges traduz, “Música da palavra (ou magia da palavra), do sentido e do som na poesia... de fato, contribuem para a singularidade e a beleza”. Que por sua vez, nos leva ao entendimento e nos torna eternos na admiração e paixão porque nos toca, porque trabalha em seu estado de nomeação ao mundo.

 

            “A poesia... é parte inalienável de um espírito ou alma maior... a voz é definitivamente a nossa... uma poesia expressa o desejo de contribuir para a melhoria do mundo” segundo Virgílio Lopes Lemos.

 

            Para Gaston Miron, “... o poema assume todas as máscaras de uma ausência nossa – minha. O poema se faz gênese de presença, a nossa – minha”.

 

            Maiakovski, completa que “A palavra do poeta é vossa ressurreição, vossa imortalidade... estas palavras põem em movimento milhares de anos e milhões de corações...”.

 

            Para mim, quando se fala em poesia, todo o dia é dia e toda hora é hora, mas em especial, dia 04 de outubro, abraço o Dia Internacional do Poeta, dizendo que a música da palavra é descrita e completada pela poesia, mostrando-se como desafio, parceria fundamental com a cultura. Como disse nosso bem amado poeta, Vinícius de Moraes, “O poeta não tem fim”; assim como a criatividade que não tem fim, mas tem começo: a poesia como música da palavra.