meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

VERSO Dissabor & REVERSO Sabor

por Tânia Du Bois

 

“... A dureza de um verso, poeta,/ é a maciez do seu reverso.” (Clauder Arcanjo)

 

Hoje em dia, aparentemente, é possível ver através do verso e reverso a aproximação que dá sentido à vida e à arte. Recriar o mundo através do verso é alcançar a liberdade, algo que se constrói com o conhecimento e a criatividade, tendo a força indomável da inspiração.

Como Clarice Lispector escreveu, ”Eu te invento, ó realidade”. A inovação reversa diz respeito à introdução de novidades onde tudo pode ser dito dentro de uma forma, fosse o poema o rastro possível da poesia.

Verso e reverso mostram as implicações e o espelhamento das palavras; o som do eco poético porque o poema é a passagem da escuta transformada em voz que retorna em encantamento, ritmo e reflexão. Pedro Du Bois no verso Dissabor, “Se o dissabor / trincar o caminho / espantando os espantalhos // pássaros dos espaços / vagos: voo sem sentido / no rasante / à presa. Desfaço / as malas e recoloco / a roupa na estante // instante ao gosto de fixar / o destino: voo em espaços / universais da dor”. Nuno Júdice, pergunta, “Mas o que fica nas palavras / daquilo que se viveu?”. Carmen Presotto responde que podemos ver “o outro lado do poema”, como mostra Anna K. Lacerda no reverso do poema Dissabor, em Sabor: “Se o sabor / Florir o caminho / Alegrando os espantalhos // Os pássaros / Em revoada / Dançarão // E eu pego carona / Nesse voo / Sem medo / Do rasante / É meu instante.”

A inovação reversa abre caminho para a criatividade, oscilando entre o significado e o significante, o que representa mudança na maneira de pensar sobre o poema e de trazê-lo para perto, como veículo de transferência de conhecimento.

Poetas constroem espaços em versos livres e espalham ecos que persistem nos versos e reversos onde emprestam suas palavras ao mundo, aumentando o sentir da existência reveladora ao tempo de hoje, mesmo diante da diversidade criativa das obras. Todos têm seu momento de impacto, dialogando, criticando e abrindo novas perspectivas para a linguagem poética: a criatividade não tem fim, mas tem começo.

Atualmente as pessoas possuem o senso de realidade em que o criar se dispersa no universo da individualidade. O verso e o reverso funcionam, então, como ponte entre o escritor, o leitor e a criação: despertando ideias.

“Às vezes um texto muito interessante passa despercebido porque não sabemos ler. Saber ler não é simplesmente ser alfabetizado. Saber ler é poder junto, pensar com o autor, compreendê-lo e criticá-lo.” (Leila M. Barbosa e Wilma Mangabeira)

Na poesia, podemos dar atenção especial, mais que a outras artes, pois dela retiramos a ideia que o homem julga necessária: aprender a ler poesia para si, isto é, uma leitura para dentro, o que leva à reflexão e à criatividade.

Este o reverso / da medalha / no corte de minha imagem /

que se corta /no teu fio de navalha...” (Mário Chamie)

--------------------------------------------------------