meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

EROTISMO NA ARTE

por Tânia Du Bois

 

“A fronteira que divide o erótico do pornográfico nunca teve contornos muito nítidos. No Brasil, o erotismo confunde-se com o obsceno. Até pouco tempo, não era elegante a exibição explícita das partes íntimas do corpo humano, que hoje são expostas até na televisão...” (Ney Flávio Meirelles)

Ao analisar o erotismo na arte literária, desenho e pintura, vejo que provocamos o prazer que existe dentro de cada um, porque na arte é permitida uma leitura individual e, sem dúvidas, um olhar aguçado à procura da imagem embutida do desejo de descobrir o interior das pessoas e das coisas.

O artista plástico Ruben Gerchman revela que “para atingir o erotismo é preciso que se fantasie um pouco o real. O erotismo não existe em nível real e sim imaginário.”

Ao invadir o lado erótico, flagramo-nos no exercício do olhar, da relação do prazer sexual e da imagem que se faz dele, como Carlos Higgie demonstra: “Encontrá-la... de repente bem no meio da tarde chuvosa, do dia cinzento e carregado, encontrá-la sem querer, mas desejando... ver com minhas mãos trêmulas de puro desejo, descobrem segredos dos teus botões, fechos, barreiras vão libertando, pouco a pouco, de toda a roupa, de toda a trava, de todo obstáculo, para que nossas peles sequiosas se encontrem...”

O escritor, através das palavras, pinta e desenha, torna pública a possibilidade da expressão estética do erotismo no uso dos contrastes das cores, traços, enlaces e atos. Também, dá suporte à construção de ideias, de palavras em branco e preto, expressando a imaginação do escritor e revelando ao leitor cores e formas na sugestão de novas percepções que conjugam o erotismo, como no poema de Maria Teresa Horta: “O Teu Corpo... vertigem / descendo em tuas costas / as ancas estreitas que escorregam // ... Aperto-te nos braços / e um mar revolto / perde-se em nós...”

Penso que nesse terreno a arte de escrever consegue nos invadir e expressar o erotismo, transportando o mistério em cada palavra, como em Nilto Maciel: “O Arcanjo e a Princesa... Pé ante pé, arcanjo caminhou rumo do leito. E pôs-se de joelhos junto ao rosto dela. Os longos cabelos loiros cheiravam a camomila. Os cílios, tão sutis, pareciam veludosos pelos de boneca. O nariz, a boca, o queixo, tudo no seu rosto lembrava deusas gregas. E o pescoço, o colo, cândidos, macios. O ventre, o pequenino umbigo de donzela, maravilhas intocadas. Perplexo – nunca vira de tão perto um corpo nu de ninfa – ...”

Alguns poemas concentram as emoções que operam no consciente, reveladas em jogo de palavras, cujo fio condutor são as transformações sobre a cor e a divisão de tons, retratados no erotismo, como em Pedro Du Bois: “... são teus olhos, fechados / circulando entre mundos, claros e escuros / onde os movimentos se penetram / e o corpo – os corpos – pede o gesto / do abandono e conquista //... na perna entrecruzada sobre a cama...” e, em Clauder Arcanjo, “... na tapera o telhado morto. / E, no quarto, bem ao fundo, / Ele e ela... O coito do silêncio.”