meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

EX-VOTOS

por Tânia Du Bois

 

A arte estimula a introspecção e a reflexão, podendo levar à transformação. Na arte, pode-se curtir o instigante, o bom e o belo. Ela existe e está aqui para quem puder e quiser apreciar.

 

Olha-se para um lado, olha-se para o outro e diante do panorama que se descortina é oportuno salientar o artista plástico Antônio Maia, que nasceu em 1928, em Sergipe e viveu no Rio de Janeiro desde 1955, onde faleceu em 12 de julho de 2008. Foi pintor autodidata.

 

Maia foi um artista figurativo que sempre se preocupou em resgatar a iconografia popular do Nordeste e a transpor para o plano da arte erudita. Ele converteu suas pinceladas na captação da individualidade e da totalidade das pessoas, como reflexo da religiosidade.

 

Já no início da sua carreira procurou compor nas telas os símbolos religiosos e populares no Nordeste, com especial predileção pela figura do ex-voto. Pedro Du Bois também compôs o seu Ex-votos, em poema:

 

“Ex-votos / agradecimento puro / dos incautos // Mas, e se houve / a cura? //

Ex-voto / maneira pura / de agradecer o feito. // Mesmo que nada /

tenha sido feito. // Ex-voto / exibir as peças / para os futuros / incautos.”

 

Sintonizado na crença popular, Antônio Maia retratou, em figuras estilizadas de cores puras e traços definidos, os ex-votos, como proposta de que há algo além da dimensão humana, representado no agradecimento pela graça alcançada, levando-nos a refletir sobre a grandeza de se estar em comunhão com o divino.

 

Hoje, podemos ver ex-votos confeccionados em cerâmica ou madeira, presentes em igrejas, como pagamento pelas curas, milagrosas, alcançadas.

 

Maia, em seus últimos anos, trabalhou a “humanização” dos ex-votos em sua obra, com sentimento mais aproximado da verdade popular e, ainda, os apresentando em “colagens”, bem como passou a clarear e a refinar a sua pintura, inserindo-a no nosso cotidiano.

 

Ao bater os olhos na obra de Antônio Maia, principalmente nos ex-voto, percebo as cores, a harmonia das formas, o ritmo dos traços e a sensibilidade lá reveladas. Walmir Ayala escreveu que “Maia reflete, por vezes, na cor a oscilação espiritual do seu cotidiano, a humana contingência da percepção vivenciada.”

 

Segundo o crítico de arte, Geraldo Edson de Andrade, “Com sua morte, a pintura brasileira perde um intérprete que aliava a ingenuidade carismática da promessa, representada pelos ex-votos, ao lirismo poético de sua criação.”