meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

MURAL

por Tânia Du Bois

 

“Fala o homem para o muro / Fala o muro para o homem.” (Jorge Tufic)

 

Mural é quadro de visualização.

Mural é instrumento da cultura.

Mural não é armário, apenas mudança de atitude dentro da linguagem.

Mural cria eixo de afinidades entre as pessoas.

Mural fala com as pessoas.

Mural é espaço da linguagem.

Mural é trem: língua que nos leva para lá e para cá, permitindo olhares.

Mural liberta a linguagem em qualquer instância da realidade.

Mural desperta e representa os desejos através de imagens.

Mural é ferramenta de apoio: portas sensoriais abertas ao desejo de ler textos, bilhetes, recados, lembretes, etc.

Dizem que uma imagem vale mais do que mil palavras, mas a palavra vale a totalidade das imagens. A cultura é substrato da vida. E o mural é a visualização que ativa os mecanismos da conquista, como as palavras de Helena Kolody, “Meu nome / desenho a giz / no muro do tempo...”

O mural é forma de se estabelecer contato com platéias diversas e distantes; é encontro entre pessoas, em mão dupla: contribuição de interesse, onde a palavra é o grande produto da comunicação. As pessoas se comunicam de várias formas de linguagem, sendo a obra o processo em si reproduzível. Mário Quintana, expressa que,“Só nos muros.../ Desenham-se hieróglifos.//... Só na parede.../ Aparecem mensagens...”

Todos os que usam o mural, ocupam espaços onde acontece algo fascinante: arte, linguagem visual, língua magnificamente manipulada como recriação do universo, mostrando as diferenças; de como o mural sai de algo local e se transforma em universal. Lêdo Ivo reflete, “... Como um sol que sustenta / o dia triunfante / uma mancha num muro / ilumina a cidade.”

As pessoas devem ser inclusivas e gerais, porque há possibilidade de diálogo entre elas. Os vínculos estabelecidos pela cultura passam pelo mural. Ele representa o homem para o homem se ver, atendendo à suas expectativas e necessidades, trazendo tais vínculos para dentro de suas vidas. Como em Vania Lopes demonstra, “... ando construindo muros / para amparar minhas escadas escorregadias / meu desatino / deixo como pintura no muro / sem assinatura /para não correr o risco de me perder. “

Cada participante do mural busca o seu espaço em novos patamares e formas para impactar, divulgar e informar as pessoas através da linguagem.

O mural é simbolicamente importante em nossa cultura, pois é expressão artística desenvolvida pelo homem, onde as palavras deslizam em seus significados e produzem ação continuadamente alcançável, como descreve Pedro Du Bois, “... última viagem da memória / sem alarde ou notícia // na parede o bilhete / de despedida.”